Material e Mensalidade Escolar: prepare o bolso!

Material Escolar

Mal o ano começou e já é aquela história. Além do IPVA e outros impostos comuns nesta época também é hora de pensar no material escolar. Quanto antes você começar a pesquisar preços sem dúvida vai evitar surpresas na hora de ver o preço total da listinha que a escola costuma solicitar.

Além disso, é válido observar algumas dicas de economia que o Idec separou aos consumidores:

  • Avalie os materiais que seu filho usou neste ano e que, em bom estado, podem ser reutilizados.
  • Na hora das compras, evite produtos sofisticados e com características de brinquedo, pois, além de serem mais caros, eles podem distrair a atenção da criança na aula.
  • Pesquise principalmente o preço dos livros didáticos, que costumam ser os mais caros da lista. Combine com outros pais a compra em conjunto, para tentar negociar o preço.
  • Vale lembrar que a escola não pode exigir marcas ou locais de compra específicos para o material, tampouco que os produtos sejam adquiridos no próprio estabelecimento de ensino a não ser que ele não seja vendido no comércio, como é o caso de apostilas pedagógicas próprias do colégio. Fora esta situação, a exigência de compra na escola configura "venda casada" e é expressamente proibida pelo artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor (CDC).
  • Também é nessa hora que você deve preparar o bolso caso a escola do seu filho não tenha divulgado o aumento no valor da anuidade. Segundo estimativa da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), o reajuste será de 10%, em média.

    Mais uma vez, o aumento é maior do que a inflação dos últimos doze meses, medida em 6,41%, conforme o Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA). Isso acontece porque as escolas consideram além da inflação outros custos, como, por exemplo, com colaboradores e investimentos tecnológicos.

    O correto é a instituição divulgar o valor semestral ou anual pelo menos 45 dias antes do término do prazo para a efetivação da matrícula, que não pode ser cobrada separadamente. Lembrando que ela já faz parte do valor integral da anuidade, e não deve ser uma parcela a mais.

    O Idec ainda alerta sobre as taxas extras, cobradas em caso de segunda chamada de provas ou recuperação. Boletins, certificados ou mesmo material da biblioteca nunca devem ser cobrados à parte.

    Leia também - Cadastro de Alunos de Inadimplentes

    Por Juliana Lopes

    Comente