Infidelidade financeira pode acabar com o relacionamento

Cuidado com a infidelidade financeira

O início do casamento é uma etapa cheia de adaptações, pois implica numa série de responsabilidades que, normalmente, o casal não está acostumado a lidar. A principal delas é o controle das finanças que precisa ser realizada de maneira adequada para que os envolvidos não passem por apertos no orçamento.

Uma pesquisa desenvolvida pela Cerbasi & Associados com cerca de 800 internautas mostrou que um dos principais problemas entre os casais é a infidelidade financeira. De acordo com os dados, 41% das pessoas gastam dinheiro sem conhecimento do companheiro e 67% acham normal comprar coisas de alto valor sem comunicar.

No entanto, 30% preferem conversar sobre infidelidade financeira com um amigo do que com o parceiro. A dúvida que vem à cabeça é: por que esconder? Para o consultor financeiro Gustavo Cerbasi, responsável pela pesquisa e autor do livro "Os segredos dos casais inteligentes", os parceiros omitem informações financeiras para evitar brigas.

"A mentira é uma péssima alternativa para manter ou salvar uma relação. Brigas e acusações não são desejáveis, mas quando a infidelidade se torna hábito, tanto o relacionamento quanto as finanças podem ficar ameaçados quando o problema vier à tona", opina o consultor.

Ele afirma que o problema é igualmente grave quando se esconde da família dificuldades no trabalho, queda nos rendimentos, ameaças ao emprego e perda de comissões, pois os planos familiares dependem da estabilidade da renda. Contudo, além da mentira, o casal precisa evitar acusações nos diálogos sobre dinheiro. Para Gustavo, a questão financeira mexe com as emoções, pois é o meio para satisfazer nossas necessidades e vontades.

"Como necessidades e vontades são diferentes para cada pessoa, os planos do casal devem levar em consideração diferentes expectativas e dificuldades em domar os impulsos com disciplina", declara Cerbasi. "Um caminho bem mais interessante para domar a falta de disciplina e estancar decisões impulsivas seria definir usos para o dinheiro mais interessantes do que as compras por impulso", acrescenta.

Para evitar que desentendimentos por motivos de dinheiro ocorram entre o casal, é importante planejar a vida financeira antes de oficializar a união, conforme descreve Silvia Alambert, educadora financeira e fundadora da The Money Camp: "Expor de forma transparente a situação financeira de cada um antes do casamento evita conflitos e ajuda a construir um futuro com alicerces sólidos".

No caso de quem já é casado o primeiro passo para organizar as finanças é desenvolver um planejamento detalhado. "Ele servirá como uma bússola ao casal, para que possam visualizar se estão se aproximando ou se distanciando de suas metas", garante a educadora financeira. "Mantenha uma comunicação aberta e realize o planejamento junto com o parceiro para que sejam cúmplices na tomada das decisões" completa.

Vale destacar que a infidelidade financeira só acontece quando um dos dois deixa de comunicar ao outro os seus sonhos e passa a correr atrás deles sozinho. Aliás, a infidelidade financeira pode ser tão traumática quando a infidelidade sexual. "Tudo dependerá de como o parceiro que se sentiu traído lida com as questões da traição: há quem dê um novo voto de confiança e queira recomeçar e há quem acredite que traição é traição, perca a confiança para sempre e desista", considera Silvia.


Por isso, a educadora financeira declara que é necessário que o casal estabeleça uma relação de confiança no relacionamento e sempre converse sobre o futuro de ambos, crenças individuais, amor, religiosidade e dinheiro. "Na ausência do diálogo, esses fatores podem se tornar verdadeiros obstáculos quando uma das pessoas é emocionalmente insegura sobre os conceitos de criação de riqueza na própria vida", finalizou Silvia Alambert.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente