Imposto de Renda - adiantamento da restituição é um bom negócio?

Imposto de Renda  adiantamento da restituição é um

Para quem está endividado, nem sempre solicitar o adiantamento da restituição do imposto de renda é a salvação. E retirar o dinheiro do banco para cobrir cheque especial ou qualquer outro tipo de dívida, significa combater apenas o efeito e não a causa do problema.

"Se o contribuinte não tentar descobrir a origem do endividamento, daqui a alguns meses vai se ver no sufoco de novo. Sem um bom diagnóstico financeiro para descobrir a origem de tantas dívidas, o problema só tende a aumentar", alerta Reinaldo Domingos, educador e terapeuta financeiro do Instituto Disop.

O especialista lembra ainda que esta atitude significa pagar juros em vez de receber. "Quando se pede antecipação da restituição, o dinheiro sai da conta do governo e vai direto para a do banco. Se o contribuinte recolhe o valor antes do tempo, o crédito fica nas mãos da instituição financeira".

E não é só este o problema. Caso a declaração do imposto de renda caia na malha fina, por qualquer que seja o problema, a restituição não será liberada na data prevista, indo parar nos últimos lotes.

"Vamos supor que a pessoa fez um empréstimo e conta com este dinheiro. Como o valor não caiu na conta corrente do contribuinte, ela não tem saldo para cobrir a parcela que vai cair. Aí o jeito é recorrer ao limite do cheque especial, que vai deixar a conta negativa. Sem contar que a pessoa pode ter feito outras dívidas, contando com este dinheiro que não veio na hora prevista".

Para sair do sufoco e combater o efeito do endividamento, a solução proposta por Reinaldo Domingos é fazer um diagnóstico financeiro. O primeiro passo é registrar o quanto se ganha e o quanto se gasta para definir uma nova estratégia de vida. A avaliação de despesas deve ser feita por 30 dias. "É importante registrar cada centavo gasto, até as gorjetas", lembra.


Feito isso, é hora de definir os sonhos da família, inclusive dos filhos. "O antídoto para pararmos de consumir é sonhar. Para se proteger um sonho, guarda-se dinheiro; para guardar dinheiro, faz-se uma readequação do padrão de vida, que nasce a partir do apontamento das despesas", explica Reinaldo. "É uma mudança de atitude".

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente