Golpe do cartão clonado

Golpe do cartão clonado

Os números confirmam uma realidade presente na vida de muita gente: cair no golpe do cartão clonado. Uma pesquisa feita pela Horus, empresa especializada em controle e prevenção a fraudes em meios eletrônicos de pagamento, através de reportagens publicadas na imprensa, constatou que entre os meses de janeiro e junho deste ano o setor de cartões no Brasil perdeu um valor superior a R$ 31 milhões com este tipo de golpe.

Ao todo foi analisado um total de 160 reportagens publicadas sobre este tipo de crime no semestre. Além do tamanho do prejuízo financeiro, as matérias revelam que 346 pessoas foram presas por este delito. Mais de 3060 cartões tiveram seus dados usados de forma indevida e 70 máquinas para captura ilegal de dados (chupa cabras) foram apreendidas.

O Sócio-Diretor da Horus, Eduardo Daghum, diz que a maior parte dos casos de clonagem acontece em estabelecimentos comerciais, agencias bancárias, caixas de atendimento automático e não através da internet. Ele chegou a conclusão de que os criminosos acham mais fácil trabalhar com esse crime ao invés do roubar bancos, realizar seqüestros relâmpagos ou mesmo outras modalidades mais violentas de assaltos.

"A clonagem não coloca a vida deles em risco, é facilitada pelo avanço da tecnologia, se apóia na falta de atenção do usuário e, no caso de prisão, ainda resta a falta de maior clareza para enquadramento do delito no código penal", afirma.

Razões mais do que suficientes para você dobrar os cuidados. Veja as precauções a serem feitas quando você retirar dinheiro em caixas eletrônicos ou fazer compras com o cartão de crédito.

a)Observe atentamente os caixas-eletrônicos, se todos estiverem desligados ou em manutenção e apenas um operando normalmente, desconfie. Veja também se o layout de todos os aparelhos é igual e se todas as peças estão devidamente conectadas.

b)Desconfie se o equipamento do banco usar uma ordem diferente da normalmente solicitada pelo seu banco para realizar as operações.

c)Jamais aceite ajuda de estranhos para realizar as transações no caixa, peça sempre ajuda de um funcionário devidamente uniformizado ou identificado.

d)Antes de contratar os serviços de um determinado banco, pergunte ao seu gerente de que forma o banco procura minimizar a possibilidade de ocorrência de fraudes.

e)Quando for comprar com o cartão, nunca deixe o funcionário do estabelecimento levá-lo, sempre o acompanhe e fique atento a movimentos estranhos que ele possa fazer.

f)Preste atenção ao visor da máquina e tenha a certeza de que o valor de compra foi digitado antes de colocar sua senha.

Diferente dos casos de perda, roubo ou furto, a clonagem não é identificada imediatamente. Quando você desconfiar de algo comunique imediatamente à administradora do cartão quais cobranças você não reconhece em sua fatura e peça o bloqueio ou o cancelamento do cartão.


O PRO TESTE também aconselha anotar o número de protocolo do atendimento (toda ligação feita para essas empresas é gravada e possui um número para verificação) e pedir uma confirmação para a solicitação de bloqueio ou cancelamento do cartão ( fax, e-mail...etc). Caso você já tenha pagado a fatura do cartão com os débitos não reconhecidos, siga o mesmo caminho e, depois, peça a restituição dos valores pagos, em dobro.

Saiba que a administradora é obrigada a solucionar o ocorrido, conforme o Código de Defesa do Consumidor. Caso contrário, você poderá exigir judicialmente uma indenização pelos danos causados. Basta recorrer ao Juizado Especial Cível mais próximo da sua residência.

Por Juliana Lopes

Comente