Garantia estendida: ela sempre vale a pena?

Garantia estendida sempre vale a pena

Quando adquirimos qualquer tipo de produto recebemos uma garantia legal de 30 dias (produtos não duráveis) e 90 dias (produtos duráveis), determinada por lei, a do fabricante e mais outra, a chamada garantia estendida, válida quando termina o seguro oferecido pela loja. Esta última é opcional e pode varia de seis meses a dois anos. Mas será que ela é sempre necessária?

Conforme explica Renata Reis, especialista em defesa do consumidor do Procon-SP, esta garantia estendida, como o próprio nome diz, é interessante quando o consumidor sente necessidade de ter um resguardo maior, de forma que a troca ou o conserto do bem a longo prazo não precise sair do bolso dele.

"É comum o consumidor contratar a garantia estendida de carros e de produtos eletrônicos, itens que têm necessidade de uma vida útil maior", diz Renata. E recomenda: "Em casos de produtos que são trocados com muita facilidade, como celulares, por exemplo, uma garantia estendida pode ser perda de dinheiro."

É importante ressaltar que a garantia estendida é regulamentado pela Susep (Superintendência de Seguros Privados) e pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), conforme a Resolução CNSP 122. Logo, este seguro somente pode ser disponibilizado por uma seguradora.

Renata acrescenta: "O consumidor ainda não pode escolher a seguradora que ficará responsável pela garantia estendida do produto adquirido por ele. "Talvez se e pessoa tivesse a chance de contratar a empresa que já tenha afinidade ou que ofereça um preço mais atrativo, o número de contratações de garantias estendidas aumentaria", pensa.

Para saber se a garantia estendida vale mesmo a pena, uma maneira rápida de chegar a uma conclusão é fazer um comparativo entre o valor do benefício e aquele cobrado por um conserto feito na rede autorizada. "Se o valor a ser pago pela garantia estendida for superior ao do conserto realizado na loja, a contratação do benefício se torna menos atrativa", alerta Renata.

Antes de contratar a garantia estendida o cliente deve dar uma boa lida no contrato, uma vez que a cobertura oferecida pelo fabricante e pela seguradora pode variar muito. Se os benefícios da garantia estendida forem muito inferiores à da contratual, é preciso avaliar a viabilidade deste seguro.

"A loja deve disponibilizar um documento com essas informações. Geralmente são três: a proposta, que traz o valor a ser cobrado, um extrato da cobertura, confirmando que o seguro foi aceito e um terceiro, que é uma espécie de manual com o detalhamento do que é ou não coberto pela seguradora", esclarece Renata.


O valor da garantia estendida pode ser parcelada junto com o valor do produto. E caso o consumidor queira cancelar o benefício não deve enfrentar barreiras. O reembolso não costuma ser 100%, mas proporcional ao tempo. "Caso a loja ou a seguradora não permita o cancelamento, o cliente deve procurar os órgãos de defesa do consumidor.

Juliana Falcão (MBPress)

Comente