Freelancer: como melhorar o retorno financeiro?

Freelancer como melhorar o retorno financeiro

Foto: Dirk Rees/Corbis

Com a internet cada vez mais presente na vida dos trabalhadores, muitas empresas contratam funcionários para trabalharem como freelancers. O termo freelancer serve para denominar o profissional autônomo, não registrado, que se autoemprega em diferentes empresas ou que atende seus clientes de forma independente.

A pessoa que escolhe ser freelancer vive dividida entre dois dilemas: saber se haverá trabalho amanhã e não atender todas as demandas. Por ser mais cômodo, o trabalho de freelancer requer muita dedicação, persistência, organização pessoal e um acreditar muito grande.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) cerca de 4,1 milhões de pessoas já trabalham em casa. O número de trabalhadores que faziam de casa o próprio escritório representava 4% da população economicamente ativa em 2011. E desde 2004, o número de pessoas trabalhando em casa subiu 2%.

Independente da profissão, o autônomo precisa entender que nunca será capaz de crescer mais que a própria sombra, a menos que exista a possibilidade de terceirizar seus serviços. "Com isso ele acaba se transformando em vendedor, agenciador e administrador de serviços prestados por terceiros, podendo, eventualmente, participar junto da execução do trabalho. As possibilidades neste sentido também são bastante interessantes e lucrativas", diz o palestrante e escritor Mario Persona.

Além de vender seus serviços online - e há muitas formas e canais para isto - o freelancer deve saber administrar suas despesas para maximizar seus lucros. "Isto inclui só comprar o equipamento ou material estritamente necessário à execução dos serviços quando estes já forem contratados. Se você for um fotógrafo querendo uma câmera nova, o melhor é esperar sentado e só pelo contrato, do que esperar sentado com uma câmera cara a tiracolo", pensa Persona.

O freelancer não deve imobilizar seu capital em instalações físicas se isto não for necessário. A maioria das atividades exercidas por freelancers pode ser feita em casa ou às vezes até numa biblioteca pública. "Quando a crise nos Estados Unidos obrigou muitos profissionais a trabalharem como freelancers, as bibliotecas viram o movimento aumentar. Não eram leitores em busca de livros, mas autônomos que no inverno trabalhavam na biblioteca pública para economizar com o aquecimento da casa", afirma Mario.

Assim como todos os trabalhos, ser freelancer tem suas vantagens e desvantagens. O palestrante conta: "Trabalhei como autônomo durante vários anos, depois como funcionário de empresas por mais alguns anos e há doze estou novamente trabalhando por conta própria. Devido à natureza de meu trabalho hoje, que são palestras e treinamentos, não existe a possibilidade de voltar a trabalhar nos moldes anteriores, mas mesmo que fosse obrigado a fazê-lo eu antes procuraria alguma atividade que me permitisse continuar trabalhando como freelancer."

E completa: "A principal vantagem é que você nunca irá passar por uma demissão, que é uma experiência que abala qualquer um. Mas isto também traz uma desvantagem, porque quando o mercado vai mal você vive em estado de demissão contínua."

Mário Persona fez um guia rápido de como se dar bem como freelancer. Veja:

Faça a diferença

Para que seu trabalho seja reconhecido aos poucos no mercado, seja criativo e faça a diferença. Com o tempo, você poderá aumentar o preço e atingir o lucro sonhado.

Networking

Construa redes de relacionamento com os seus parceiros e outros freelancers, que podem ser subcontratados para um futuro projeto. É importante conhecer ambos muito bem, desde suas capacidades e fraquezas até o comprometimento com os projetos.

Quanto cobrar

Isto irá depender do segmento, do tipo de trabalho, da experiência e nome do profissional, além de outros fatores. Na internet há muita informação sobre o assunto em sites de conselhos, sindicatos e associações. É possível também trocar ideias com outros profissionais frequentando as redes sociais. Depois de conseguir criar alguns parâmetros, caberá ao freelancer usar do bom senso para cobrar, de modo a obter o maior ganho sem se estressar. Os valores cobrados nunca deverão seguir uma tabela rígida, a menos que seu segmento exija, pois os preços podem variar conforme a demanda. O controle do seu tempo será ditado pelo preço: quando a demanda cresce, ele aumenta o preço, quando diminui, ele reduz.

Fature mais

Se quiser se dar bem na loucura em que se transformou o trabalho — e ter mais tempo para o ócio criativo e realmente produtivo — sugiro que aprenda a terceirizar seus problemas e necessidades. Atenda ao telefone sempre com um sorriso no rosto, pois ninguém vai querer contratar um serviço de alguém desanimado ou estressado. Para conseguir mais trabalhos e cobrar mais, você precisará se promover. Uma marca pessoal vai ser essencial, assim como a sua presença nas redes sociais. Um site pessoal também vai ajudar na hora de conquistar novos clientes.


Entre os profissionais que mais utilizam do trabalho home-office estão jornalistas, designers, fotógrafos, publicitários, editores, copywriters, programadores, analistas e tradutores.

Por Thaís Santos (MBPress)

Comente