FGTS: novas regras para usá-lo em financiamentos

Casinhas

Financiamentos já se tornaram a salvação para quem quer sair do aluguel e realizar o sonho da casa própria. Conforme o do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi), o volume de financiamento deve chegar a 500 mil unidades até o fim deste ano, 50 mil a mais em relação a 2007.

Muita gente encontra várias oportunidades nos feirões da Caixa Econômica Federal. Até este domingo, dia 18, a feira será realizada na capital paulista, em Belo Horizonte, Recife, Salvador e Porto Alegre. Durante o evento é possível verificar o limite de crédito, simular operações, consultar o saldo do FGTS e até obter a carta de crédito.

A novidade é que este ano a Caixa também permite adquirir com mais facilidade um imóvel usado a partir da Carta de Crédito FGTS. Segundo informações da Caixa, para o pagamento em até 240 meses, pode-se financiar até o valor total do imóvel. Até 300 meses é possível parcelar até 90%. De 301 a 360 meses, a pessoa financia até 80% da quantia. O percentual é aplicado sobre o menor valor entre a avaliação da CAIXA e o valor de compra e venda do imóvel.

Os interessados em imóveis novos devem preencher alguns requisitos. O mais importante é que a casa ou apartamento escolhido deve estar no município onde a pessoa trabalha ou ainda em cidades próximas pertencentes à região metropolitana. A pessoa também precisa comprovar que reside neste município há pelo menos um ano.

Quem estiver financiando um imóvel e quiser utilizar o dinheiro do fundo para abater o saldo devedor não precisa mais ter quantia equivalente ao valor de 12 parcelas do crédito. Proprietários de lotes ou terrenos podem usar o dinheiro do fundo, desde que comprovada à inexistência de edificação. O mesmo vale para pessoas que também recebem imóveis por doações ou herança.

“Hoje o que verificamos é uma oferta de imóveis de qualidade com valores que cabem no bolso do trabalhador. E o cidadão já percebe as vantagens de se pagar uma prestação menor do que o aluguel”, confirma a presidente da caixa, Maria Fernanda Coelho, durante a abertura do evento.

Fonte - Caixa Econômica Federal

Por Juliana Lopes

Comente