Faça o seu dinheiro render até o final do mês

dinheiro

Foto: Philippe Turpin/Photononstop/Corbis

Administrar as finanças e fazer o dinheiro render são grandes desafios dos brasileiros. De acordo com uma pesquisa do Ibope, realizada a pedido da Serasa, sete em cada dez pessoas, o equivalente a 73% da população do país, chegam ao fim do mês com o bolso vazio.

E sabe o que geralmente leva as pessoas a não conseguirem guardar dinheiro? A economista Christiane Monteiro, fundadora do blog "MaisMoney" tem a resposta: é a falta de planejamento. É ela que nos impede de direcionar de maneira eficiente nossos gastos mensais.

Gastamos sem ter noção clara das receitas e despesas mensais, do valor mínimo a ser poupar pensando na aposentadoria e/ou em algo que desejamos. Não temos um valor reservado para imprevistos como desemprego e doenças.

"Sem um direcionamento eficiente, gastamos sem poder e sem o mínimo de controle e planejamento, na maioria das vezes sem nem ao menos compreender com o que gastamos e onde foi parar o dinheiro", diz Christiane.

Outros vilões do "desaparecimento" do salário são os gastos fantasmas, aquele que não percebemos de forma consciente que estamos fazendo e que seus valores são pequenos e não contabilizamos em nossa planilha, quando ela existe. A economista dá como exemplos o lanche da tarde, a pipoca do cinema, a roupa que estava em promoção. Tudo isso não estava no planejamento daquele mês.

Tem gente que detesta, mas o caderninho é um grande companheiro de quem quer se manter na linha quando o assunto é dinheiro. "Crie a disciplina de anotar os pequenos gastos diários e depois avaliar como foi o dia. Indico que a nota da compra seja guardada. Se não houver, anote tudo imediatamente em um caderno ou folha específica para isso. Ao final do dia faça a conta do total gasto, avaliando de forma assertiva se este valor estava dentro do seu planejamento", orienta a economista.

Se mesmo com essas orientações detalhadas você não se convencer a usar o caderninho, Christiane tenta lhe ajudar dando outra solução: planeje de forma consistente qual valor pode ser gasto mensalmente com pequenas despesas diárias, e leve na carteira o valor correspondente àquele dia. E uma coisa importante: os cartões de débito e crédito devem permanecer em casa.

A expert em finanças afirma que quando não estabelecemos metas, administrar positivamente as finanças se torna algo bem complicado. Nós precisamos de um motivo real para guardar dinheiro (comprar um carro, uma casa, fazer uma faculdade, reformar a casa...). Só dessa maneira não caímos na tentação de gastarmos sem controle. "Se olhamos para nossa meta e entendemos por que estamos abrindo mão daquele gasto fica confortável dizer NÃO!"

Para que você se organize direitinho, a economista do blog "MaisMoney" preparou seis dicas de como administrar bem as finanças e garantir um dinheiro no bolso até o fim do mês:

1- Realize de forma consistente seu planejamento orçamentário mensal, receitas, despesas e pequenas despesas diárias, e inclua os valores que deseja poupar e deixe claro o seu destino.

2- Se necessário reavalie suas despesas e faça um projeto de redução. É preciso que você viva dentro de um padrão no qual possa ao menos poupar e/ou investir 10% do valor de sua receita líquida.

3- Poupe antes de o mês começar. O que isso significa? A primeira conta a ser paga será a sua poupança e/ou investimento.

4- Programe todas as compras, até as compras do supermercado. Faça uma lista do que precisa, quantidade e valor que espera pagar. Se desejar adquirir algo, acesse seu planejamento orçamentário e verifique a viabilidade.

5- Se não possui controle nos momentos das compras a dica é: deixe os cartões de crédito e débito em casa. Se estiver de carro deixe-os lá. Se sentir desejo em adquirir algo, dê uma volta e espere a adrenalina baixar. Se for realmente necessário, você irá voltar na loja (buscando o cartão no carro). Se não, simplesmente esquecerá!

6- Realize o controle dos gastos diários, através de anotações e/ou levando em espécie o valor que poderá gastar naquele dia.


Juliana Falcão (MBPress)

Comente