Evite roubadas na Black Friday

black friday

© Randy Faris/Corbis

A Black Friday, última sexta-feira do mês novembro em que lojas oferecem grandes descontos ainda é novidade no Brasil, mas vem ganhando por aqui a fama de "Black Fraude", ou seja, os descontos praticados na data podem significar uma farsa.

A frase "o dobro pela metade do preço" foi repercutida por vários consumidores, já que muitas das ofertas com promessas de até 80% de desconto na verdade era apenas uma maquiagem produzida por muitas empresas.

Alguns varejistas prometem que neste ano a Black Friday será bem diferente, até porque os órgãos de defesa do consumidor e o próprio consumidor estão mais atentos às pegadinhas dos fornecedores. Mas será mesmo que veremos bons descontos na próxima sexta? Para não entrar em roubada, veja algumas dicas do CEO do site BuscaDescontos, Pedro Eugenio:

1. Procure apenas as lojas participantes acessando o site oficial Black Friday Brasil. Essa é uma maneira de fugir de ofertas maquiadas e comprar em locais seguros e com boa reputação.

2. Faça um orçamento para saber o quanto você pode gastar nesse dia. Uma lista de presentes também ajuda, para você não se perder em um mar de ofertas.

3. Fuja dos horários de pico (entre 0h e 2h e também na hora do almoço entre 12h e 14h) e evite lentidão de acesso ao site, que também traz problemas na hora da compra.

4. Não deixe de comprar os preços em oferta com o de outras lojas participantes do evento. Pesquise bem até ter certeza de que o preço realmente está em conta.

5. A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico criou um Código de Ética para a Black Friday. As lojas que aderirem receberão o selo "Black Friday Legal", se comprometendo a exibir ofertas reais na ação. Se a loja não cumprir o acordo sofrerá penalidades. O selo visa oferecer credibilidade às promoções.


6. Se você encontrar qualquer tipo de irregularidade na oferta anunciada, denuncie. Voce pode fazer sua denúncia no site "Reclame Aqui", diretamente ligada ao evento e que funciona como um termômetro de reputação das empresas.

Por Jessica Moraes

Comente