Empréstimos bancários: fuja dos juros altos!

Empréstimos bancários fuja dos juros altos

Quando as contas apertam no fim do mês, as ofertas de empréstimos parecem uma tentação para se livrar logo do problema. O dinheiro vem rápido, mas ele pode custar bem caro na hora de quitar a dívida.

O vilão “juros” ainda atormenta a nossa economia. A taxa básica é de 12,25%. E segundo o Copom, Comitê de Política Monetária, a expectativa de mercado é que até o final deste ano, esse número aumente para 14,24%.

Segundo o administrador de empresas Cláudio José Carvajal Júnior, o Banco Central aponta que os juros bancários já chegaram a 37,6%, um dos mais altos deste abril de 2007. “A taxa de juros cobrada pelos bancos pode crescer mais por causa do aumento na taxa básica”, explica.

Cláudio aconselha fugir do cheque especial. Por isso, cuidado na hora de aceitar um bom limite. Conforme o especialista, as taxas cobradas por estes serviços custam 157,1% ao ano!

Nessa hora dá para buscar algumas alternativas. Uma delas é escolher empréstimos para pessoas físicas. É mais vantajoso do que o cheque especial. “As taxas médias das operações tradicionais de crédito pessoal baixaram 4,7 pontos percentuais em maio, para 63% frente aos 67,7% em abril”.

Você pode conversar com parentes ou amigos próximos e negociar juros mais baixos. Quem tem veículo próprio pode financiar um novo e vender o antigo para quitar um cheque especial ou cartão de crédito. Compare. O custo médio do empréstimo para aquisição de veículos está 30,6% ao ano em maio - bem mais baixo que os juros do cheque especial.

Por Juliana Lopes

Comente