Dinheiro - Turma da Bolsa para a criançada

Dinheiro  Turma da Bolsa para a criançada

"Mãe, me compra...". Eis a frase de apelo econômico dos pequenos consumidores que são bombardeados constantemente por propagandas dos mais variados produtos infantis. E tem também a força do boca a boca na escola, onde a cada dia aparecem novos amiguinhos, com novas aquisições de brinquedos, tênis, material escolar... A alternativa ao seu bolso, minha amiga, é ensinar o valor do dinheiro às crianças. E para isso existem algumas ferramentas que podem te ajudar. Uma delas é o site da Turma da Bolsa (www.turmadabolsa.com.br), criado pela Bolsa de Valores de São Paulo, com o objetivo de levar noções sobre finanças aos meninos e meninas de 7 a 10 anos.

O portal foi lançado em abril passado e conta com mais de 5.400 crianças cadastradas. Com interatividade, apresenta diversas formas para introduzir o vocabulário econômico à criançada, que começa a se ambientar com palavras do tipo "poupança", "débito", "troco", "gasto", "custo", "caro", etc.

Entre os canais, há o das fábulas, que apontam, por exemplo, a importância de se trabalhar para ganhar dinheiro, a diferença entre o querer e o precisar, ou sobre a valorização daquilo que possuímos. Há ainda dois personagens, o porco e o magro, que contam de maneira didática como utilizar o dinheiro e economizar para conquistar objetivos.

Os pais também podem participar, pois o Turma da Bolsa mantém um canal exclusivo com orientações sobre educação financeira aos filhos. Para se cadastrar, não é preciso pagar!

Mesada

Outra forma de ensinar a molecada a dar mais valor para o dinheiro é conceder a tão pedida mesada. Segundo o educador financeiro Álvaro Modernell, esta é uma excelente ferramenta, desde que utilizada corretamente. Veja as dicas práticas do consultor:

- Crianças pequenas têm pouca noção de tempo e dificuldade para lidar com prazos. Comece com semanadas, quinzenadas e passe para a frequência mensal somente após os dez ou doze anos, conforme a maturidade da criança.

- Estabeleça valores compatíveis com a realidade econômica da família e com o meio que a criança frequenta. A média do valor que os amiguinhos ganham é um bom indicativo.

- Respeite prazos e valores acordados.

- Estimule a poupança. Ofereça reforços eventuais para estimular essa prática.


- Valorize e recompense boas atitudes em relação ao dinheiro. Ajude a viabilizar projetos pelos quais a criança tenha se esforçado para realizar.

- Rigidez em excesso é tão prejudicial quanto falta de disciplina. São crianças.

- Converse a respeito do uso do dinheiro. Liberdade acompanhada é uma boa política na maioria dos casos.

Por Adriana Cocco

Comente