Cuidado ao misturar contas pessoais com contas da empresa

Cuidado ao misturar contas pessoais com contas da

Foto: Jamie Grill/Tetra Images/Corbis

Caras leitoras, por mais que se propague a separação entre as contas empresariais e a gestão financeira pessoal dos empreendedores, e por mais que seja essa prática correta, sabemos muito bem que é impossível eliminar o fio condutor que de uma forma ou outra acaba por ligar as duas situações.

O ponto é que, a menos que seu negócio seja uma S.A. dotada de excelente governança e uma rigorosa e independente estrutura de fiscalização, onde uma das missões seria a de proteger a empresa de você mesma, cuidar para que uma eventual desestruturação das suas finanças pessoais não afetem o seu negócio, se faz imperioso, caso deseje construir uma jornada pessoal e empresarial próspera, e sólida.

Aqui a prudência fala alto e não basta a política da separação de contas entres pessoas físicas e jurídicas, trata-se antes de consciência e educação financeira na veia. Caso contrário, a tentação para aumentar a sua retirada mensal, ou elevar o percentual de distribuição de lucros em detrimento de novos e importantes investimentos no negócio, será perigosamente grande.

Cientes disso sugiro evitar a tentação:

1. Tenha sempre a consciência de que é impossível enriquecer, gastando mais do que se ganha. O caminho da capitalização, passa pela contenção, necessariamente;

2. O conservadorismo nas finanças pessoais permitirá a tomada de novos riscos, quando não correr tais riscos se caracterizar em algo ainda mais perigoso. Em outras palavras "o caldo de galinha alimenta a capacidade para mais investimentos e o resultante gerenciamento de riscos";

3. Tenha personalidade. Você não precisa seguir o senso comum vigente, e consumir tudo aquilo que dizem ser essencial para se viver;

4. Não permita que o seu padrão de vida cresça na mesma medida que o crescimento dos resultados da sua empresa. Ele pode simplesmente estagnar, seja por conta de situações imprevisíveis de mercado, seja a partir de uma nova canetada do governo, ou quem sabe depois de uma pequena alteração no regime de tributação. Esteja capitalizada para enfrentar as adversidades, e saiba que elas sempre virão, mais cedo ou mais tarde;


5. Fuja dos financiamentos, eles ainda são absolutamente insustentáveis, e sua lógica não converge com uma política pessoal de enriquecimento. Saiba esperar e compre a vista, com desconto;

6. No campo da economia, por mais entusiasmada que seja com o futuro, mantenha vivo um certo pessimismo saudável;

7. Mantenha a sua família longe do negócio. Caso tenha filhos, faça-os buscar os seus próprios caminhos;

8. Trabalhe com o que gosta, de forma que seja menos um fardo e mais um veículo de realização e satisfação cotidiana. Desta forma você sentirá menos necessidade de "se compensar" (gastando e comprando) por conta do trabalho duro e do natural estresse do dia-a-dia;

Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial, empresa que atua como uma agência independente na produção de conteúdo e informação.

Boa sorte e até a próxima

Comente