Compras por impulso, uma epidemia nacional

dividascartão

Foto - Shutterstock

Segundo dados divulgados hoje pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito), mais da metade dos brasileiros (52%) assume que já fez pelo menos uma compra por impulso nos últimos três meses. As pessoas colocam a culpa nas promoções, propagandas e facilidades de pagamento, quando, na verdade, a causa é apenas uma: falta de educação financeira.

Os dados são alarmantes. De acordo com a pesquisa, 52% dos brasileiros acreditam que o crédito é algo positivo, pois ajuda a realizar sonhos; outros 30% pensam que serve para momentos de emergência e apenas 7% admitem que incentiva o descontrole.

Para o educador financeiro Reinaldo Domingos, o primeiro passo para se tornar um consumidor consciente é fazer a análise do orçamento financeiro familiar. "Saiba exatamente qual é o seu padrão de vida, quanto você ganha e quais são as suas despesas essenciais. Ter esses valores em mente ajuda a conter os instintos consumistas".

Dívidas e mais dívidas - 35% dos entrevistados assumiram não ter o costume de consultar o extrato bancário antes de fazer uma compra. Todos esses pontos levam as pessoas a fazerem parte dos altos índices de endividamento e inadimplência. Ainda de acordo com a pesquisa, 67% dos consumidores já ficaram com o nome sujo pelo menos uma vez, sendo que 20% ficaram mais de três anos nesta situação e 13% entre um ano e três anos.

A solução - A falta de educação financeira é, sem dúvida, a maior responsável. Nossos avós e pais não foram educados financeiramente e, claro, não transmitiram esses hábitos e isso se torna um ciclo vicioso com crianças crescendo sem um respaldo sobre o uso e a administração do dinheiro. Por esse motivo, milhares de escolas em todo o país já estão inserindo Educação Financeira em sua grade curricular. "É assim que começaremos a mudar a realidade, ajudando a formar uma sociedade menos impulsiva e mais consciente e sustentável"completa o especialista.


Por Vila Mulher

Comente

Assuntos relacionados: compras dinheiro dívidas economia impulso