Comprar imóveis na planta é bom negócio?

Para começar a pensar, afirmo que a compra de um imóvel é sempre um bom negócio. Como dizia minha avó, "melhor ter um imóvel do que ter nenhum". Imóveis são ativos que normalmente tem valorização expressiva no Brasil por conta de nossa cultura de casa própria. O imóvel valoriza por vezes menos que a poupança, mas é um ativo que expressa segurança e garantia no nosso sistema de valores e mesmo no comportamento social, portanto é interessante pensar em adquirir um imóvel, seja ele residencial ou comercial.

E quanto a forma ideal de comprar este imóvel? O modelo mais rentável é a compra do imóvel à vista, para que taxas e custos de financiamento não onerem ainda mais esta aquisição. Lembro que o financiamento bancário implica em custos de avaliação do imóvel, taxas de documentação e outros possíveis elementos que geram despesas adicionais e estão validados quando da aquisição pelo agente financeiro, seja ele banco ou mesmo a incorporadora. Pagar diretamente minimiza custos de juros, mas é preciso lembrar que a escritura e taxas governamentais terão de ser pagas quase imediatamente ao momento de compra do imóvel. Isso tem um custo que pode chegar a 7% do valor total do imóvel, se for o primeiro imóvel da pessoa.

Comprar na planta é boa opção? Para quem não é disciplinado para poupar e prefere acompanhar a obra, é ideal, porque assim não tem como deixar de pagar e comprar. Comprar na planta, parceladamente, implica em juros embutidos e custos, mas muita gente se sente confortável em ir pagando aos poucos durante a construção - coisa que dificilmente fariam se tivessem de poupar mensalmente - e nestes casos é uma boa opção, pois de outra forma não iriam comprar. O risco da obra ser postergada ou mesmo não acontecer existe, mas hoje as empresas estão mais atentas a regras do código do consumidor. Outro alerta importante é verificar se há uma instituição bancária avalizando a construção, pois isso também impede que a obra paralise por falta de recursos.

Então o melhor é comprar diretamente, quase à vista? Desde que seja algo planejado e estudado, é a melhor opção. Imagine poupar mensalmente um montante por cinco anos para ao menos diminuir o prazo de financiamento, e some a isso recursos adicionais como o fundo de garantia para um imóvel usado, pois normalmente terá um custo menor do que um imóvel novo.


Gradualmente você poderá reformar e fazer com que ele fique adequado a sua necessidade, sem com isso perder dinheiro em juros que podem chegar a 100% do preço total do imóvel. Isso pode ser conquistado sem estresse de cobranças de parcelas em aberto e com um excelente controle pessoal, portanto fica a dica: poupe hoje para comprar com segurança no futuro. Pense nisso e mãos à obra - poupar!

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. suyen@suyenmiranda.com.br

Comente