Como vocês se planejam financeiramente?

Como vocês se planejam financeiramente

Foto: RelaXimages/Corbis

Problemas financeiros estão na lista de motivos pelos quais muitos casamentos chegam ao fim. Uma má administração tira o sono de muita gente, ainda mais de casais que estão começando a viver juntos. Antes que brigas sérias aconteçam a melhor opção é sentar e conversar e se planejar financeiramente, definindo direitinho como será gasto e aplicado o dinheiro.

O Vila Mulher separou seis formas diferentes de administração, geralmente utilizadas pelos casais e pediu a ajuda do educador financeiro Reinaldo Domingos, idealizador do Dsop, para comentar cada um deles.

Veja as melhores opções para você e seu parceiro:

Como vocês se planejam financeiramente

Foto: Whisson Jordan/Corbis

Tudo na ponta do lápis

As planilhas são muito importantes, mas o casal não pode ficar robotizado, escravo de anotações. Se nessa planilha estiverem apenas as despesas, dará a ideia de que o casal só gasta e que está sempre endividado.

"Esta metodologia não permite a realização dos sonhos. Uma boa planilha deve constar os sonhos do casal e individuais (a curto, médio e longo prazo), quanto se ganha, quanto é poupado para a realização dos desejos e depois os gastos", diz Reinaldo. Assim, a planilha fica mais completa e abrange não somente o que sai da conta, mas também os investimentos que estão sendo feitos.

Como vocês se planejam financeiramente

Foto: Corbis

Metades da laranja

Todas as contas da casa são divididas entre os dois e cada um se responsabiliza por sua parte. Nesse caso, fica fácil ter controle sobre as contas. Quem paga a conta de luz, por exemplo, acompanha se o valor está menor ou maior no mês seguinte. "Porém, um não têm esse mesmo controle sobre as contas do outro, pois estará mais focado nas suas próprias responsabilidades", alerta Reinado.

Diante disso, o ideal é que o casal sente e faça uma avaliação periódica de todas as contas para saber se não há excessos nos valores cobrados. Pesquisas revelam que as contas dos lares são 20% mais caras do que realmente deveriam. "Uma boa avaliação pode minimizar esse gasto extra", aconselha o educador.

Como vocês se planejam financeiramente

Foto: Corbis

Conta conjunta

As pessoas envolvidas numa relação possuem trabalhos diferentes, salários diferentes. Um sabe o que gasta, o quanto gasta e os motivos pelos quais gasta, mas nem sempre consegue controlar a movimentação financeira do outro. O casal que adotar essa iniciativa precisa ter uma comunicação muito boa para uso do dinheiro seja realmente consciente.

"Gasta-se muito por impulso e estabelecer regras pode ajudar o casal a saber quanto cada parte da relação vai gastar, para que não haja um desequilíbrio financeiro", diz Reinaldo. Para a criação dessa conta, é preciso ver quanto cada um recebe. Não dá para os dois depositarem a mesma quantia se um recebe R$ 1.000 e o outro R$ 3.000. "E nesta condição exige-se também muita administração, pois serão três contas: as individuais e a conjunta", acrescenta.

Como vocês se planejam financeiramente

Foto: Ant Strack/Corbis

Cada um por si!

Cada um cuida de suas contas pessoais (cartão de crédito, celular) e um não interfere na vida do outro. É o perfil do casal que vive no isolamento. Se essa decisão tiver como base uma boa conversa, não há problema. "As pessoas hoje se casam e não abrem mão dos seus sonhos pessoais. Querem ter sua própria TV para assistir ao futebol ou à novela, sua pia no banheiro, seu chuveiro. Estão mais autônomas. É fruto da modernidade, mas é preciso muito diálogo para que um entenda e respeite os gastos e decisões do outro", pensa Reinaldo.

Como vocês se planejam financeiramente

Foto: Roy McMahon/Corbis

Um mês eu, outro você

Para o educador este método não funciona. Pois para saber se o valor das contas está dentro do orçamento do casal é preciso uma avaliação contínua e cuidadosa. Se cada um pagar em um mês diferente, essa análise fica comprometida.

Outro obstáculo para esse método de administração financeira é que nem sempre o valor da conta é o mesmo, o que pode gerar brigas, caso o responsável pelo pagamento não seja também o responsável pelo aumento do valor cobrado.

#fica a dica!

Para todos os casais, o educador financeiro orienta: todo ano é preciso fazer uma faxina financeira. Parar 30 dias para anotar todos os gastos, avaliar o orçamento e ver de que forma o dinheiro pode ser poupado para a realização dos sonhos existentes e dos que virão. "Esse diagnóstico deve ser feito todo ano ou sempre que houver uma oscilação no padrão de vida (alguém perdeu o emprego ou recebeu um aumento)."


Além de administrar os gastos da casa, os casais precisam garantir seus próprios futuros, ou seja, pensar num plano de aposentadoria, e isso é feito individualmente. "Deem importância a isso, só o dinheiro do INSS não serve. Eu costumo alertar: a definição de INSS é ‘Isso Não Será Suficiente’", finaliza.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente