Como planejar um casamento: primeiros passos

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Como planejar um casamento

Foto - Tetra Images/Corbis.

O sonho de subir ao altar de branco vai se realizar, mas você não faz ideia por onde começar? Calma, pois o "Vila Mulher" está aqui para te ajudar. Pensando na enorme dificuldade de planejar um casamento completo com cerimônia e festa, conversamos com duas craques no assunto que trouxeram passo a passos e dicas importantes para as primeiras decisões.

Tatiana Goldstein, criadora do projeto "CasarCasar", listou as cinco principais dúvidas de quem vai se casar. Para quem não sabe, o trabalho da empresária consiste em ajudar noivas a organizarem sua cerimônia por meio da criação de um site exclusivo em que ela pode administrar tudinho. "Desde receber presentes 100% em dinheiro, contar com um guia completo de fornecedores e serviços para o evento, além de um blog completíssimo com ideias, novidades e as últimas tendências sobre casamentos em geral", explica.

A ideia surgiu quando Tati, que morava nos Estados Unidos, resolveu se casar com um argentino no Brasil! Daí já viu a confusão, né? O resultado foi sensacional e podemos ter certeza de que estamos falando com uma experiente no assunto. Então, vamos lá:

Quanto vou gastar com a festa?

Tudo depende muito do perfil dos noivos: quais são as suas prioridades, quanto estariam dispostos a gastar e, principalmente, a quantidade de convidados. Isso deve ser estudado para se chegar a um orçamento final.

Qual é a melhor época para casar?

Essa é uma questão também relacionada ao perfil e orçamento dos noivos. Se os noivos quiserem casar ao ar livre, por exemplo, a data escolhida terá que ser na primavera ou verão, mas isso tende a ser mais caro por se tratar de alta temporada. Se os noivos estão querendo economizar, sugerimos que se casem nos meses de inverno, temporada baixa ou numa quinta-feira em que os preços dos salões e outros fornecedores são um pouco mais baratos.

Em quais itens devo investir mais?

No que é mais importante para você! Os convidados não irão ligar e nem perceber se faltarem coisas ou detalhes que preocupam a noiva. A energia do casal e dos convidados é que faz a festa.

Qual é a quantidade de bebida que devo comprar?

Geralmente usamos o seguinte calculo:

Whisky: 1 garrafa para cada 15 convidados;

Espumante, prosecco ou champanhe: 1 garrafa para cada 2 convidados;

Vinho tinto: 1 garrafa para cada 4 convidados;

Vinho branco: 1 garrafa para cada 5 convidados;

Também é importante considerar o perfil dos convidados: se tiver mais mulheres, considere que o consumo de espumante será maior. Se tiver mais homens é possível que o consumo de whisky seja mais elevado. Convidados mais jovens consomem mais bebida alcoólica do que os mais velhos.

Como escolher os melhores fornecedores?

Você pode pesquisar em nosso guia de noivas, por exemplo. Depois de uma filtragem inicial de fornecedores que tenham a ver com o seu estilo e estejam dentro do seu orçamento, marque uma reunião ou uma visita para conhecer mais os detalhes de seus serviços.

A escolha de fornecedores acaba sendo complicada porque há muita variedade e opção no mercado. Acho importante que os noivos os conheçam pessoalmente, que vejam fotos, vídeos e exemplos reais dos serviços que eles oferecem e até mesmo que peçam referências. Se os noivos já têm certeza de algum fornecedor, como, por exemplo, o salão, que peçam recomendações a eles de fornecedores que costumam trabalhar. É bem provável que os mesmos estarão dentro do perfil e bolso dos noivos.

Para tirar dúvidas em relação a outras questões também pertinentes, conversamos com Ana Letícia, também conhecida como Anita, que é advogada, blogueira e consultora de imagem e autora do "Anita Bem Criada."

Como dividir as contas com o noivo e as famílias?

Você pode escolher o que for melhor pra você. O mais comum são os noivos dividindo as contas ao meio. Há casais em que a noiva arca com os gastos do casamento, enquanto o noivo fica com a compra o apartamento e a mobília. Há também situações em que um tem uma condição financeira superior à do outro, este então arca com os gastos integralmente. O importante é, no momento em que for tomada a decisão, haver muito diálogo. Quanto às famílias, no geral contribuem com valores específicos ou pontuais, como a lua de mel, o álbum de fotos, os eletrodomésticos, móveis, etc. Mas nunca se deve programar e preparar um casamento esperando ou contando com as contribuições ou os presentes de terceiros. A não ser que seja algo já previamente declarado.

Em quanto tempo devo me programar e qual valor devo juntar antes de tudo?

Isso depende da grandiosidade ou não do evento. Os casamentos pequenos, os famosos "miniweddings", podem ser planejados com pouquíssimo tempo de antecedência. Já os grandes espetáculos que temos visto por aí demandam um tempo mínimo de um ano. Do mesmo modo, o valor. Não há uma quantia previamente estabelecida, pois em termos de casamento o sonho é o limite. Quando se sonha alto, os valores aumentam. E vice-versa

.

Como eu consigo os melhores descontos?

Os melhores descontos são obtidos através de muita barganha, muita negociação e uma boa dose de simpatia para conquistar os fornecedores. Indicações de amigos e conhecidos também podem surtir um bom efeito. O cerimonialista, também conhecido por "wedding planner", pode ser de grande utilidade neste momento, indicando os fornecedores com os melhores preços e os mais abertos à negociação.

Geralmente em quais itens eu consigo economizar mais?

É possível economizar em vários itens. Basta, para tanto, que sejam estabelecidas as prioridades. Há quem não abra mão de um espetacular e pomposo vestido de noiva assinado pelo estilista mais renomado do momento. Há também quem não dispensa servir as melhores bebidas para os seus convidados. Há aqueles que preferem uma decoração estonteante. Assim, estabelecidas as prioridades, é possível economizar escolhendo um fornecedor mediano e não tão conhecido ou demandado. Se a prioridade é um belo buffet, abra mão de uma banda e contrate um DJ para economizar nesse quesito. E por aí vai.

Quando vale a pena colocar a mão na massa? (para fazer lembrancinhas, por exemplo).

Colocar a mão na massa tem seus prós e contras. É preciso lembrar que organizar um casamento não é tarefa fácil e, quanto mais próximo do grande dia, mais afazeres e stress surgirão. Assim, assumir mais responsabilidades nesse momento pode ser extremamente desgastante. Entretanto, se esta decisão for tomada de forma consciente, vale a pena e pode imprimir bastante personalidade no seu casamento. No meu, por exemplo, ao invés de lançar mão das tradicionais mesas de doce, eu decidi que a minha mesa seria feita exclusivamente pela minha mãe e tia, com doces cristalizados que são receita antiga de família e que causam um sucesso absurdo nas festas. Não deu outra! Só se falou nisso no casamento.

Por Alessandra Vespa (MBPress)

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente