Cobrar a dívida com classe

Cobrar a dívida com classe

Se você já passou por isso, tanto devendo quanto tendo de cobrar aquele empréstimo, sabe bem do que estou falando. A boa nova é que dá pra resolver e fazer a vida mais leve. Vamos entender o porquê e como.

Muita gente carrega nas costas um fardo que, por vezes, até parece leve porque a pessoa se acostumou. Mas é bem pesado: o fardo de ter que, um dia, cobrar uma pessoa querida (ou nem tanto, em diversos casos) algo que ela está devendo. Então, como fica aquele que é o credor e se sente desconfortável na situação? Como fazer para cobrar sem se sentir mal ou piorar a relação existente?

Bem, a primeira coisa é respirar calmamente e lembrar que será necessário ter um bom controle emocional. Mesmo que tudo indique que vai correr às mil maravilhas (você até consultou um oráculo para saber detalhes!), há o medo inconsciente de todos de sofrer rejeição ou algum tipo de agressividade.

Eu percebo que, na grande maioria dos casos, só da pessoa tomar a iniciativa de cobrar demonstra que há o interesse em negociar - o que no fundo os devedores querem que aconteça. Prova disso é que as empresas de telemarketing de cobrança têm avaliado que mais da metade dos devedores espera que o credor cobre e assim possa acontecer uma negociação viável - entendeu de onde vem o sucesso deste segmento?

Daí que você, credor ou credora, deve dar o primeiro passo. Procure o devedor ou devedora e converse da forma mais tranquila possível, sem entrar no mérito do passado - o motivo da não quitação do débito. Um exemplo simples é pedir de volta o livro que você emprestou. Não ajuda nada lembrar quanto tempo o livro está com a pessoa (afinal, você foi conivente, emprestou e deixou o prazo de entrega por conta dela, certo?) e quais motivos levaram a situação ao ponto que chegou.

Como fazer: simplesmente peça o livro de volta, e combine com a pessoa quando ela poderá devolver, a forma, o local. Acertado o detalhe da entrega, mude o assunto! Comente sobre a vida, sobre as férias que aconteceram ou vão acontecer, enfim faça comentários alegres que desviem o assunto porque ele foi encerrado (mesmo que pareça que a pessoa possa esquecer, agora você terá um novo argumento para cobrar: o que foi estipulado). Lembre-se então que você vai finalizar isso cobrando a devolução e ponto.

E se você foi cobrada, como fazer? Primeira coisa é deixar de se sentir vítima ou inferior a quem está te cobrando. Fato: a pessoa está certa em cobrar, seja porque é dinheiro em jogo ou alguma coisa de valor - o livro acima, por exemplo - e que a ela pertence. Procure facilitar a situação já propondo uma negociação.

Como fazer: vamos imaginar que o livro do exemplo acima realmente esteja com você e que você o tenha perdido. Diga que irá repor o livro dentro de um prazo razoável e comece imediatamente a localizar a obra, via internet ou na base da sola de sapato garimpando em livrarias ou sebos. Não invente histórias mirabolantes ou crie desculpas - você não tem razão, por isso está sendo cobrada. Também não caia na tentação de começar um jogo de "quem deve mais", lembrando do passado da pessoa ou situações semelhantes. Afinal, você quer sair desta melhor do que entrou, portanto deixe sentimentalismos de lado.


Acertada a negociação que irá finalizar a dívida, lembre-se: se for emprestar, pense muito bem antes de fazer isso, pois uma coisa que é sua responsabilidade é cobrar. Se for pedir emprestado, seja justo com quem te fez o favor, seja pessoa amiga ou banco, e pague em dia - se possível, antecipe a devolução. Não leve as questões de cobrança para o lado pessoal, seja qualquer o lado onde você está. Finalizando, procure terminar com as pendências para aliviar o stress do cotidiano. Afinal, carga nas costas ninguém merece!

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. suyen@suyenmiranda.com.br

Comente