Clientes usam a criatividade para reclamar de produtos

Criatividade para reclamar de produtos

Foto: Philipp Nemenz/cultura/Corbis

Quem já passou horas com o ouvido colado ao telefone esperando por uma orientação do Sistema de Atendimento ao Consumidor sabe como é desagradável. Até o mais tolerante monge budista perde a paciência de tanto ouvir "aguarde um minuto, por favor" e " só mais um minuto", por horas.

Cansado deste tratamento, clientes e consumidores vão a público deixar claro suas queixas. Alguns estão tão desesperados que tomam atitudes extremas. Como levar o produto de volta à loja em que foi comprado e parti-lo em pedacinhos diante do gerente.

Foi assim que agiu um produtor de eventos. Ele contratou o serviço de um carreto para levar uma geladeira à Rua Princesa Isabel, em São Paulo. Ao chegar ao local ele sacou uma ferramenta pesada e começou a perfurar a mercadoria. Não satisfeito, derrubou a geladeira do automóvel e chutou-a até ficar exausto.

Saíram da loja vendedores, clientes e o gerente, todos queriam ver o que estava se passando no local. Durante uma entrevista a uma emissora de televisão o promotor de eventos explicou o que havia acontecido. Ele se queixou de negligência por parte do responsável pelo estabelecimento. A geladeira, que foi comprada à vista, apresentou defeito ainda dentro do prazo de garantia. O cliente levou a mercadoria à assistência autorizada que consertou o produto. Porém, o defeito voltou a aparecer quando a garantia já havia acabado.

Quando o assunto é prestação de serviço a qualidade também deixa a desejar. Um cliente da Embratel decidiu gravar a ligação na qual se queixava de não ter recebido os créditos que comprou. Com o material ele montou um vídeo que seria engraçado se não fosse tão triste. Foram colocadas imagens para ilustrar o tempo que esperava para ter seu problema atendido. Palhaços tristes e alegres se revezavam com monges e bebês cansados.


No entanto, este não perdeu a paciência. Ao contrário de muita gente, ele se conformou com a justificativa mediana do atendente. O autor do vídeo solicitou o áudio original da conversa a Anatel, o que gerou mais motivos de queixa. Passaram-se 18 dias da data da postagem e a gravação não havia sido enviada pela empresa.

E você, que queixas têm sobre o atendimento prestado ao cliente?

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente