Cheque especial: evite!

Cheque especial evite

Em tempos de crise ou mesmo fora dela, cair no cheque especial pode significar problemas financeiros! As taxas de juros cobradas pelos bancos que oferecem esse tipo de crédito aos clientes são exorbitantes, capazes de fazer uma pequena dívida disparar e sair do controle. Para não se enrolar, a dica é buscar alternativas de crédito e, em último caso, utilizar o cheque especial apenas por necessidades imprescindíveis e de curtíssimo prazo.

De acordo com a última pesquisa do Procon-SP sobre as taxas de juros dos bancos em relação ao cheque especial, a média cobrada ficou em 8,96% ao mês. É, ainda, uma das formas de crédito mais caras do mercado. Veja só um exemplo prático sobre o que isso significa: acabou o dinheiro disponível em sua conta corrente e você utilizou R$ 300,00 automaticamente do cheque especial. Sabe quanto terá de pagar por isso num prazo de 30 dias? R$ 326,88. Agora, imagine se você perder de vista seus gastos...

O limite do cheque especial é pré-estabelecido pelo banco. Funciona como um saldo extra que o cliente pode utilizar quando não possuir saldo disponível na conta corrente para débitos como cheques, DOCs, TEDs, tarifas, etc. Assim, o melhor é ficar de olho no saldo bancário, controlando rigorosamente seus depósitos e pagamentos.

Na hora das compras, lembre-se de que até os empréstimos pessoais nos bancos, segundo a mesma pesquisa do Procon, têm taxas de juros menores que as do cheque especial, em média de 6,04%. Resgatar dinheiro do seu investimento e pagar à vista também pode ser melhor idéia para o seu bolso.

Leia também - Por que não sobra dinheiro?

Por Adriana Cocco

Comente