Cartão Aluguel Caixa: adeus fiador!

Cartão Aluguel Caixa adeus fiador

Se o sonho da casa própria ainda não virou realidade, pelo menos alugar um imóvel tende a ficar um pouco mais fácil. A Caixa Econômica Federal acaba de lançar o Cartão Aluguel Caixa, que traz como principal vantagem ao inquilino não precisar de fiador ou garantia adicional. Isto porque, por meio do cartão, o banco garante o pagamento das parcelas do aluguel.

O Cartão Aluguel CAIXA também funcionará como um cartão de crédito convencional. Ele será oferecido nas bandeiras MasterCard e Visa, inclusive na variante Internacional, para pessoas físicas, locatários de imóveis residenciais. O cliente terá dois limites: o "limite-aluguel", que será utilizado exclusivamente para pagamento do aluguel nas imobiliárias, e o "limite rotativo", destinado ao pagamento de compras em estabelecimentos comerciais.

De acordo com o banco, o custo do cartão será de R$ 8 por mês. Caso o usuário ative a linha do aluguel, terá de pagar também uma taxa de manutenção de 6,67% ao mês.

A comercialização do Cartão Aluguel Caixa em âmbito nacional ocorrerá após a fase de piloto, prevista para o próximo mês de fevereiro. O produto será disponibilizado exclusivamente nas imobiliárias credenciadas, além da rede de agências do banco em todo o país.

Cautela

Na opinião do educador financeiro Mauro Calil, de fato o Cartão Aluguel preenche com sucesso a questão da dificuldade que os inquilinos enfrentam para conseguir um fiador. Mas não se pode esquecer: tudo que é bom tem seu custo.

"Se vale a pena? Depende do caso. Este custo vai onerar o valor do aluguel, que já é uma conta que aperta o orçamento. O inquilino deve pensar em todas as alternativas, como por exemplo o seguro-fiança, e estudar o que é melhor para o seu bolso".


Calil alerta para o fato de que o cartão aluguel também funcionará com um cartão de crédito convencional, gerando tentações de gastos. "O que também pode ser conveniente, desde que sua utilização seja feita com inteligência. Aqui vale a recomendação de que o cartão deve ter como limite até 50% da renda líquida de seu usuário. Por exemplo: se uma pessoa tem renda líquida de R$ 1 mil, deve ter um limite de R$ 500 no cartão, facilitando o controle dos gastos".

Por Adriana Cocco

Comente