Cada sonho de consumo precisa de um investimento diferente

sonho de consumo

Foto: Image Source/Corbis

Todos nós temos um sonho de consumo, mas já percebeu como juntar dinheiro pode ser difícil com todos os gastos que temos mensalmente? Saiba que investimentos podem ser a salvação para as suas finanças. Entenda como.

É fundamental estabelecer seu objetivo e saber como classificá-lo. Você quer comprar uma televisão, um carro ou guardar dinheiro para a faculdade do seu filho? Esses sonhos de consumo são de pequeno, médio e longo prazo, respectivamente. E para cada um deles existe um investimento que melhor combina e se torna mais rentável com o período de duração de cada um.

Os sonhos de curto prazo são aqueles que podem ser realizados em até um ano, como a compra de uma geladeira ou de uma televisão. Segundo o educador financeiro Reinaldo Domingos o mais recomendado é a caderneta de poupança. "Ela possui liquidez, não tem dedução no imposto de renda e nem mesmo taxa de administração. É uma das aplicações mais populares no país", afirma ele.

Deve-se ter em mente, também, que não só as aplicações podem proporcionar lucro. Um dos maiores investimentos está na economia, como comprar à vista e com desconto. "Não existe melhor investimento do que receber um desconto de 5%, 10%, podendo chegar, algumas vezes, a 20%. É preciso ficar muito atento", alerta Reinaldo, que também aconselha sempre a atrelar um sonho, um objetivo a qualquer dos investimentos que se resolva fazer.

Os objetivos de médio prazo têm como característica poderem ser realizados em, no máximo, dez anos, como um carro novo ou uma casa própria. Os investimentos mais adequados são o CDB (Certificado de Depósito Bancário), o CDI (Certificado de Depósito Interbancário), o Tesouro Direto e os fundos de investimento. O educador ensina: "É preciso ficar atento à tributação de imposto de renda, que varia de acordo com o tempo, e também com as taxas de administração".

Resumidamente, o CDB é um título de crédito que os bancos emitem e que o investidor paga uma taxa de juro pré-fixada ou pós-fixada. Por sua vez, o CDI refere-se a títulos virtuais que servem para a troca de reservas monetárias entre os bancos. O Tesouro Direto é a negociação de títulos públicos por pessoas físicas e os fundos de investimento são aplicações feitas por um grupo de indivíduos que agem como pessoa jurídica.

Os sonhos de longo prazo são aqueles que demorarão mais de dez anos para serem realizados. Um bom exemplo seria a aposentadoria sustentável. Reinaldo Domingos diz: "É preciso que esse sonho seja pensado desde o nascimento de uma criança, dessa forma, antes do 40 anos, ela poderá desfrutar de muito mais sonhos e prazeres com qualidade total de vida".

Dos mais de 25 milhões de brasileiros aposentados pelo INSS, somente 1% é independente financeiramente. Os outros 99% dependem de parentes, amigos ou são obrigados a continuar trabalhando durante toda a vida para manter os padrões de consumo.


Considerando o prazo do objetivo de um sonho de longo prazo, os bons investimentos que se adéquam a ele são os títulos públicos, que podem ser comprados e o dinheiro corrigido e resgatado no futuro, a previdência privada, a previdência social e imóveis para aluguel. Quanto às ações, Reinaldo Domingos alerta: "Por ser uma aplicação de risco, é preciso ter muito conhecimento ou uma corretora de valores para assessorá-lo. Em caso de escolha da mesma, atente-se para que o valor aplicado não ultrapasse mais de 20% do total disponível de dinheiro".

E não pense que os sonhos das crianças não merecem planejamento. É importante educar financeiramente a família toda, até mesmo os filhos, desde cedo. Mas, para eles, os prazos são menores. Um sonho de curto prazo é aquele que pode ser realizado em até três meses, o de médio é o que vai de três a seis meses e o de longo prazo é o que pode ser realizado em um ano ou mais.

*Serviço: Educador financeiro Reinaldo Domingos

Por Juliany Bernardo (MBPress)

Comente