Aumento do dólar pode prejudicar viagem ao exterior?

Dólar em alta como fica a viagem

No início de 2012, a cotação do dólar, que chegou a custar R$ 1,55, foi uma tentação para quem gosta de viajar. Muitos brasileiros não resistiram e compraram passagens para destinos fora do país. Mas como todo mundo sabe, economia também é uma caixinha de surpresa.

A moeda americana, que até meados de abril deste ano estava desvalorizada, subiu consideravelmente e atualmente está valendo cerca de R$ 2,00. Agora quem está com as passagens compradas precisa se organizar para não gastar além da conta fora do Brasil.

O valor dos bilhetes não sofrerá alteração. Isso porque o câmbio é fechado no dia da compra. "Então os turistas que compraram antes da alta, para viajar neste período de férias, não sofrerão a diferença, mesmo que ainda estejam pagando, pois o valor foi fixado em real", explica Sildemar Paulucci, diretor comercial da New Line Operadora.

Quem comprou a moeda americana no primeiro semestre se deu muito bem. Mas você não teve esta sorte, o melhor a fazer é negociar o valor na casa de câmbio. "Algumas agências de viagem conseguem vantagens para os passageiros nesta hora", lembra Paulucci.

O diretor comercial ressalta que, apesar da alta do dólar, viajar ao exterior ainda é um bom negócio. Ele lembra que muitas companhias estão com promoções nas passagens para os Estados Unidos, Caribe e até para a Europa.

Paulucci faz recomendações para qualquer viagem ou planejamento. "As previsões indicam que o câmbio continuará no patamar que está ainda nos próximos meses, então quando vamos viajar é importante nos programar, pois com antecedência encontramos as melhores condições", afirma.


A grande preocupação são os gastos fixos, como hospedagem e alimentação no restaurante do hotel. A dica do diretor comercial é negociar estes serviços antes de embarcar. Como já dissemos, antecedência reduz os preços. Paulucci alerta: "Se possível, não utilize cartão de crédito no exterior".

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente