Alimentos saudáveis e baratos

Alimentos saudáveis e baratos

Sardinha, pescada e tainha são mais baratos e tão saudáveis quanto o salmão.

Cuidar da alimentação e consumir produtos saudáveis são princípios básicos na hora de fazer as compras, seja do mês, da semana ou do dia. Porém, o preço de alguns alimentos, como é o caso do azeite e do peixe, estão muito altos, fazendo com que eles deixem de compor a rotina alimentar.

O salmão é um clássico exemplo. Rico em Ômega 3, importante por não ser sintetizado pelo corpo, auxilia na diminuição de triglicerídeos e do colesterol ruim e tem um importante papel no combate a alergias e processos inflamatórios. É indicado a ser consumido pelo menos duas vezes por semana.

Segundo Camila Torreglosa, nutricionista do Hospital do Coração (HCor), atualmente, existe muito salmão criado em cativeiro e, por causa de sua alimentação diferenciada, tem menos Ômega 3. Em contrapartida, há peixes da costa brasileira, como a sardinha, a pescada e a tainha, que são bem mais baratos e ricos em nutrientes indispensáveis para uma boa alimentação.

O azeite extravirgem e o óleo de canola são outros dois bons exemplos de alimentos caros e importantes na dieta. Ambos são ricos em gorduras monoinsaturadas, relacionadas à prevenção de doenças cardiovasculares. "A recomendação é de 20% do valor energético diário consumido por uma pessoa, ou seja, é muito importante. O problema é o preço", acrescenta a nutricionista.

Então qual o alimento que substitui a tal gordura monoinsaturada? Camila sugere que haja o consumo do óleo composto, ou seja, a mistura do azeite com o óleo de soja, e a ingestão do amendoim, castanha-de-caju e do abacate, alimentos também nutritivos que podem substituir o consumo do azeite extravirgem.

No caso da quinua, fonte de ferro, fósforo, cálcio e fibras, não existe nada que a substitua. Porém, de acordo com a nutricionista, este é um alimento que substitui a carne, por exemplo, e também é importante nos casos de doenças relacionadas ao consumo de glúten.

Ainda entram para a lista os cogumelos, a linhaça e os alimentos orgânicos em geral, que possuem um preço elevado por não serem produzidos com o uso de agrotóxicos. Todos eles são indispensáveis na alimentação e devem, mesmo que de forma reduzida, ser introduzidos no cardápio sempre que possível.

Por isso, durante as idas aos supermercados ou à feira, é sempre válido ficar de olho nas promoções e no sobe e desce dos preços dos produtos, para analisar a possibilidade de consumir alguns alimentos mais caros.


"Ter uma dieta balanceada é de extrema importância, mas, caso não seja possível comprar certos produtos, dê prioridade aos mais baratos que também são fontes de nutrientes importantes para o dia a dia. Consuma 400g de verduras e legumes, uma fruta cítrica e outras duas de sua preferência. Desta forma, você terá uma alimentação bem rica, independentemente do valor desses produtos", finaliza Camila.

Por Carolina Pain (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: alimentação finanças cogumelos