A importância de manter o controle emocional no ambiente de trabalho

Mantenha o controle em seu trabalho

Foto: Hero/Corbis

Ter um bom currículo é, sem dúvida, muito importante para conseguir se destacar no mercado de trabalho. Mas será que uma boa qualificação, experiência profissional vasta e cursos extracurriculares são os três pilares preponderantes para conseguir conquistar o chefe e os colegas de trabalho? A resposta é não!

A falta de controle emocional pode atrapalhar e muito um profissional que queira se sobressair no mercado. "As empresas querem - e precisam - de pessoas equilibradas, que saibam administrar o que acontece com elas no trabalho e na vida pessoal", explica Sergio Ricardo Rocha, coach, consultor e palestrante.

Existem dois fatores prejudiciais quando o profissional costuma exagerar nas emoções, ou seja, em momentos de estresse grita e fala palavrões, vive emburrado e trata mal os colegas: "Isso afasta as pessoas, pois elas não querem receber esta energia ruim, conviver com alguém cheio de emoções descontroladas e por saberem que não terão com quem contar na hora da necessidade. Ou seja, em vez de reagirem bem, perderão o controle", afirma Rocha.

O coach esclarece que dentro das instituições pouquíssimas atividades são realizadas isoladamente e, por este motivo, emoções exacerbadas e choros constantes geram problemas onde a produtividade é extremamente avaliada. "Convivemos o tempo todo com pessoas e a realização de parte das tarefas normalmente depende de outras. Se não tiverem carinho e confiança em nós, enfrentaremos dificuldades", diz.

Segundo ele, o chefe avaliará se esta pessoa prejudica o ambiente de trabalho, se está preparada para liderar pessoas em uma possível promoção e se pode confiar que ela realizará as tarefas necessárias, da melhor forma e dentro do prazo estabelecido. "As pessoas são contratadas por conta das suas competências e habilidades e são demitidas por causa das suas atitudes e do relacionamento com as pessoas. Ninguém quer uma bomba relógio emocional por perto", considera.

Sérgio cita que no livro "O Monge e o Executivo", o autor James Hunt diz que devemos avaliar um relacionamento como se fosse uma conta bancária. Quando conhecemos alguém o saldo é nulo. Nossos comportamentos geram depósitos e retiradas. "Todas as vezes que mantemos um relacionamento saudável com as pessoas, sendo calmos, gentis, confiáveis e tratando com respeito, significa que fazemos depósitos nesta conta bancária. Então o saldo vai ficando positivo", informa.

Desse modo, quando somos grossos, indelicados, fracos e arrogantes, quebramos promessas e não valorizamos as outras pessoas. Fazemos retiradas e o saldo vai ficando negativo. "Para cada retirada que fazemos, as pessoas só desculpam mesmo se fizermos quatro depósitos. Somos muito sensíveis, puxamos sempre a sardinha para nosso lado. Uma pessoa tende a acreditar que o que acontece com ela é muito mais forte e importante do que acontece com outras pessoas", descreve Rocha.

Por isso, controle as emoções! O coach assegura que ao administrá-las estamos gerando produtividade, felicidade e autorrealização. "Temos sucesso quando aprendemos a lidar com as situações e a viver emoções de maneira mais equilibrada. Aliás, não são apenas as nossas emoções, temos que aprender a lidar com as emoções das outras pessoas também", salienta.

A melhor metodologia para aprender a identificar o comportamento, saber onde está, para aonde quer chegar (o que quer se tornar), quais seus pontos fortes, como contornar possíveis obstáculos e como criar uma rota de ação para o seu sucesso é a de coaching. "Quanto mais rápido entendemos como nossos valores, pontos fortes e de melhoria, motivações pessoais e profissionais potencializam ou limitam os nossos resultados, mais efetivas serão nossas ações para eliminar/minimizar improdutividade e desenvolver pontos positivos", garante Sergio Ricardo Rocha.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente