A arte da pechincha

A arte da pechincha

Tentar obter o melhor preço na compra de algo requer atitude e muita disposição. Popularmente conhecido por pechinchar, o ato sem dúvidas é uma arte e precisa ser feito da maneira correta.

Muitas pessoas já nascem com esse dom, achando inadmissível sair de uma loja sem nem ao mesmo ter "chorado" por um precinho melhor de um produto. Outras pessoas, ao contrário, morrem de medo e vergonha e acabam deixando o lugar frustradas, sem comprar nada por causa do valor elevado da mercadoria.

Segundo uma pesquisa feita pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), 70,4% dos 800 consumidores entrevistados afirmaram que pechincham antes de comprar. O mais interessante deste estudo é que não são apenas as classes menos favorecidas financeiramente que tentam descontos nos produtos.

Embora as classes C, D e E sejam líderes da pesquisa, com 71,9% e 77,6% de adesão à arte da pechincha respectivamente, dentre os consumidores A e B, 66,3% também negociam antes de fazer uma compra.

A advogada Isabella Varella admite que adora pechinchar e que faz isso sempre que pode. "Sempre é bom conseguir um desconto bacana ou um parcelamento melhor em uma compra", revela.

Mariana Toledo, estudante de Relações Internacionais, ao contrario de Isabella, não gosta de chorar no preço de um compra, mas foi obrigada a aprender a arte durante uma viagem na Índia, local onde "quem não pechincha, sai perdendo".

Ainda existem os casos das pessoas que não gostam de pechinchar, como a arquiteta Fernanda Martin, que prefere acreditar em preços justos pela mercadoria ou serviço que oferecem. "Depois de muitos tombos percebi que, apesar de não gostar muito de discutir preços, muitas empresas possuem uma margem de lucro absurda e, neste caso, vale a pena", acrescenta.

As três são amigas há muitos anos e concordam que, apesar de não ter como pedir descontos em hotéis, restaurantes e bares (neste local é sempre válido e já essencial em alguns grupos de amigos), a gerência do estabelecimento garante a chamada "saideira" por conta da casa.

"Todas as vezes que vou à cabeleireira acabo chorando um desconto. Não tem como fazer luzes, progressiva, mão, pé e depilação sem deixar um bom dinheiro no local, então eu faço o que posso para pagar menos", revela Isabella, sobre o tipo de serviço que ela mais gosta de pechinchar.

Já Mariana, que descobriu tal arte na Índia, conta os locais e como conseguia o desconto desejado: "Lá, caso você não pechinche, eles cobram mil rúpias por algo que vale apenas uma. Tudo o que comprei por lá eu chorei no preço, desde o quarto de hotel, passando pelas águas nas vendinhas, o táxi, até a compra dos souvenirs".

"Tem que fingir que vai morrer na hora que ouve o preço, fazer cara feia, dar risada e, claro, dar as costas para o vendedor. Ele vai perceber que você não vai comprar e, juro, o preço cai muito. Dizer que o vendedor de uma loja próxima fez um preço mais baixo e pedir para ele fazer o mesmo valor também é infalível. O importante é não aceitar de cara o primeiro preço", acrescenta a estudante.

As três também concordam que pagar os 10% de serviço em baladas e boates também ficou fora de cogitação. "Como podem cobrar este acréscimo no preço em um lugar que não tem garçom, onde você mesmo busca sua bebida no balcão? Eu mando tirar da conta mesmo", revela Mariana.

A advogada comenta que as pessoas não devem se sentir constrangidas por pedir desconto, porque não é um desrespeito. "Em algumas culturas, especialmente em países muçulmanos, pechinchar é um costume e uma demonstração de que realmente você tem interesse em comprar. Para o vendedor é uma regra e um prazer discutir o preço da mercadoria, Caso você faça um bom negócio, é certeza de que o local ganhou um novo e bom cliente", finaliza Isabella.


Por isso, pesquise e pechinche sempre. Evite as datas comemorativas para certas compras e não tenha vergonha, mas sim metas de compra. Conheça bem o produto ou serviço em questão, seja humilde, controle seu entusiasmo, considere o parcelamento e pronto. Boas compras!

Por Carolina Pain (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: finanças