7 erros cometidos na hora de guardar dinheiro

7 erros cometidos ao guardar dinheiro

Foto: FreeDigitalPhotos http://bit.ly/JHVdLe

Uma das tarefas mais difíceis que existe é conseguir guardar dinheiro. Todo mês ficamos planejando a quantia que pretendemos economizar, mas sempre burlamos a nossa própria meta. O salário chega e já temos contas para pagar. Sem contar as outras despesas do mês, como compras no supermercado, o transporte dos filhos entre outros.

Embora seja complicado, poupar um pouco do dinheiro o máximo que der é necessário todo o mês para casos de emergência ou para conquistar alguns sonhos, como a viagem de férias, o carro ou a casa própria. "A pessoa precisa se vigiar, adotar uma disciplina escrita e ter determinação para evitar erros", alerta André Massaro, especialista em finanças pessoais e economia financeira da Moneyfit.

De acordo com o especialista, muitas falhas são cometidas por aqueles que pretendem economizar recursos e até mesmo por quem já costuma a poupar. Acompanhe a lista dos principais erros destacados por André Massaro e comece a evitá-los:

1-Ter simultaneamente investimentos e dívidas: muitas pessoas preferem manter o dinheiro investido na poupança, mas estão devendo dinheiro, cartão de crédito e cheque especial. Esse é um grande erro, pois quanto mais tempo você passar com a dívida, os juros vão aumentando e você poupa menos no outro mês. O dinheiro está ali para casos de emergência. É muito melhor retirar a quantia e repor no próximo mês na conta do que pagar juros altíssimos do cartão de crédito.

2-Não ter um plano para fazer investimento: o valor que a pessoa pretende investir para um projeto ou qualquer outra coisa deve ser único. Se determinar poupar todo mês 10% ou 15% do salário deve obedecer a meta, porque se a pessoa não se forçar a cumpri-la parece uma dieta que sempre é adiada para o mês seguinte.

3-Falta de autoconhecimento: quem quer poupar precisa se autoconhecer e conhecer a sua tolerância ao risco, porque ele existe em todo. Em determinados momentos a rentabilidade está mais baixa e em outros está mais alta. A pessoa que tem baixa tolerância a riscos não deve se envolver em investimento do gênero. É importante a pessoa perceber se tem medo de lidar com investimentos.

4-Achar que existe receita mágica: não existe algo, uma forma de investimento que sirva para todo mundo. Sendo assim, é necessário estudar e analisar qual é o investimento correto para si.

5-Preconceito: está associado ao não conhecimento de produtos e opções existentes no mercado financeiro. Por desconhecimento acha que investimento só existe em poupança ou imóvel. Porém, existem muitos outros que são seguros. No entanto, é necessário conversar com um especialista que irá orientá-lo ao que se adéqua ao seu perfil.

6-Guardar dinheiro em casa: o costume de guardar o dinheiro debaixo do colchão, no guarda-roupa ou em um cofre em casa, além de não ser seguro, não faz o dinheiro render. Parado, o dinheiro é corroído pela inflação, ou seja, perde o valor de mercado e você perde o poder de compra.


7-Usar as reservas em situações de emergência: há situações em que a pessoa precisa usar as reservas e não pode ter dó de gastá-las em uma emergência. Mas é importante ressaltar que só deve mexer em situações extremas.

André afirma que a poupança não é algo que se faz de um dia para o outro e que a maioria dos problemas está associada à falta de disciplina, comportamento e conhecimento financeiro. Por isso, veja se você comete algum dos erros citados e passe a se policiar!

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente