2014 é um ano bom para comprar uma casa?

2014 é um ano bom para comprar uma casa

Foto - Eric AUDRAS/Onoky/Corbis.

Como eu não tenho grandes conhecimentos de clarividência posso entender que muita gente vem perguntando sobre comprar imóveis neste ano por ser ano eleitoral e com o evento da Copa do Mundo. Agora eu me pergunto em qual sentido isso pode ser associado: em ano de jogos não se vende casa? Em ano eleitoral comprar casa é mau negócio?

Há quem associe isso à tal bolha imobiliária, que significa ter preços muito acima do real para a venda de imóveis, gerando um movimento de especulações. No entanto, embora existam sim imóveis à venda há algum tempo, não podemos simplesmente rotular todos como "caros demais", porque há certas sutilezas: imóveis que estão "sobrando" são normalmente comerciais em tamanho grande, em centros de compras ainda não firmados no mercado, além de residências grandes com mais de três quartos e valor alto de revenda.

Lembro que estes imóveis normalmente tem venda mais lenta, o que é fácil de entender: são itens que tem linhas de crédito mais caras, atendem a menos pessoas e geram menor demanda. Quero lembrar ainda que todo imóvel pode ser vendido, basta ter uma boa divulgação, estar em boas condições e com um preço justo. Pode levar tempo? Sim, mas terá quem o deseje.

Imóveis menores são mais procurados, tem linhas de crédito mais fáceis e abundantes - o que faz a minha recomendação de pesquisar bem e com calma para fazer um bom negócio - e tem sido o foco das construtoras. Há também boas opções em imóveis usados, muitos com mais área útil que apartamentos ou casas novas, e a um preço interessante. Pedem uma reforma, em boa parte dos casos, mas vale analisar se a relação custo benefício compensa. Se a reforma valorizar o imóvel, já é uma boa opção.

Comprar um imóvel deve ser algo pensado e analisado com critério, calma e decisão firme. Isso tudo pode levar até seis meses, considerando a escolha do lugar, a tomada de decisão se casa ou apartamento, o estabelecimento do valor que se pretende gastar, levantamento de recursos, financiamentos, custos acessórios e ainda o custo da mudança em si. Lembre-se que raramente todos os móveis que se tem atendem ao novo lar, bem como cortinas, tapetes, equipamentos eletrodomésticos. Prepare uma reserva para estas importantes acomodações que o novo imóvel vai precisar para você viver bem.

E quem pergunta se imóveis podem perder o valor - uma questão comum, já que todo bem apresenta depreciação - digo que dificilmente o investimento em imóveis apresenta queda. Nossa cultura brasileira tem no imóvel um dos principais ativos, e isso vem do fato de todos terem o sonho da "casa própria, o pedacinho de chão", somado a todo um programa habitacional que estende possibilidades para quem tem recursos reduzidos. Entretanto, antes de comprar o imóvel, analise alguns fatores:

- Quanto menor o valor financiado, melhor. Comece com um imóvel menor, quite-o e depois, se quiser ou for necessário, mude para um maior. Imóveis menores tem menor custo de manutenção, pense nisso.

- Imóvel novo tende a ser mais caro, mas pode ser modelado conforme seu gosto. Se isso for importante para você, não menospreze seu desejo, mas faça uma reserva maior para atender a esta diferença - que trará conforto e satisfação, portanto vale observar carinhosamente.

- Imóvel para investimento não é a sua moradia: muita gente associa uma coisa à outra, mas nada mais errado: imóvel para investir precisa gerar aluguel ou uma revenda com lucro. Dificilmente seu lar, decorado e reformado para ser do seu gosto, vai gerar um aluguel melhor ou um valor de compra maior pois alguns itens que agradam a uns nem sempre agradam a todos. Um imóvel cheio de benfeitorias para agradar a uma família pode ter um preço igual a outro sem as melhorias mas no mesmo lugar e tamanho.

- Na dúvida, alugue: se existe alguma sombra de dúvida se é casa ou apartamento, se zona norte ou sul, se pequeno ou grande, não ultrapasse a linha do bom senso somente para não "jogar dinheiro fora". Aluguel não é jogar dinheiro fora, é pagar o custo de moradia, algo que quando temos um imóvel próprio esquecemos de mensurar. Em diversos casos é melhor alugar por um tempo e poupar visando a compra do imóvel desejado nas condições que vão efetivamente atender o que a família ou comprador espera - assim, não pense que alugar é pagar para os outros - evitando decepções que envolvem boas somas financeiras.

Suyen Miranda é publicitária e consultora de finanças pessoais, atuando no Brasil, Mercosul, Portugal e Angola. Já foi consumidora compulsiva voraz e tornou-se poupadora e empreendedora, e acredita que toda mulher pode e deve ser autônoma e independente financeiramente. suyen@suyenmiranda.com.br

Comente