Voando alto: a profissão de aeromoça

Voando alto a profissão de aeromoça

Voar alto é o sonho profissional de todo mundo. Mas muitas mulheres - e homens - conseguem levar esse pensamento ao pé da letra: são os comissários de voo. A enfermeira americana Ellen Church foi a pioneira e foi essa paixão pelos céus que a levou a convencer a "Boeing Air Transport", uma agência área da época, que seria uma ótima opção ter enfermeiras a bordo dos aviões.

Por causa dela surgiram as aeromoças, aquelas simpáticas mulheres que ficavam responsáveis por, principalmente, trazer uma maior segurança aos passageiros durante todo o voo. A fragilidade ligada à imagem do sexo feminino impressionantemente trazia uma tranquilidade aos passageiros, fazendo com que o avião não parecesse tão perigoso quanto todos achavam à época. Hoje, homens também podem fazer parte dessa profissão, embora a predominância ainda seja feminina.

Segundo o dicionário Michaelis, o comissário de voo ou aeromoça "serve as refeições aos passageiros e lhes presta assistência a bordo". Mas saiba que, se você quer fizer parte dessa leva, há muito mais em um profissional do voo do que simplesmente entregar lanchinhos e levar travesseiros aos passageiros.

Para começar, os pré-requisitos são: ter no mínimo 18 anos e o segundo grau completo e, claro, muita determinação, afinal, a seleção dos candidatos é bem rígida. Depois, é preciso entrar em uma escola que oferece o curso de formação de comissários de bordo e se dedicar ao máximo para não correr o risco de ficar para trás. O curso tem treinamentos de sobrevivência na selva, na água, e até de combate a incêndios.

Terminado o curso, o aluno recebe a Licença de Comissário de Voo, somente depois de uma aprovação da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil). Tendo em mãos a licença, começa uma bateria de exames periodicamente aplicados pela Anac.

Esses exames são feitos para testar a capacidade física de um indivíduo, ou seja, se ele não possui restrições de visão, audição ou problemas de saúde como epilepsia e outros fatores mais que podem impossibilitar a pessoa de voar.

Somente depois de todas essas etapas é que o candidato pode finalmente ser contratado por uma empresa aérea. Alguns requisitos a mais serão pedidos nessa etapa: estar na altura mínima (1,58m de altura para as mulheres e 1,65m para os homens) e um peso equilibrado são essenciais para esse novo profissional. Auto-controle, simpatia, rapidez para resolver pequenos imprevistos também são levados em conta nessa etapa.

Além disso, um diferencial é saber falar outra língua. Segundo Carlos Prado, coordenador da Escola Master de Aviação, em São Paulo, 99% das empresas pedem inglês como segundo idioma ou espanhol e, ter outra língua como grego, por exemplo, é um diferencial que poderá levá-lo a fazer viagens estrangeiras. Ou seja, é um ponto bastante valorizado na profissão.

Depois de uma pequena entrevista para mostrar que o candidato atende todas as exigências acima, a empresa fica responsável por fazer o treinamento do comissário. São 30 dias de muita informação, voos de instrução e dedicação.

Passado o treinamento, um comissário chamado de ‘examinador’ fica responsável por aplicar uma prova para o novato. Serão milhares de perguntas que, se respondidas com sucesso, levarão à contratação do candidato.

Passado todos esses testes hora de um voo de verdade. O comissário de voo trabalha por escalas, sendo que ao longo de um mês tem direito a oito folgas que podem ser em dias de semana ou não.

Além disso, o profissional também recebe o que eles chamam de escala reserva. Nesse dia, o comissário pode, ou não, ser chamado para trabalhar. Funciona como um plantão: ele fica de reserva, em uma sala, esperando por um alerta. Se for chamado, tem que se apresentar para o trabalho. Se não for, pode ir para casa descansar.

Cada dia é diferente para o profissional do voo. Pode ser que em um dia ele faça apenas dois voos e pode ser que no outro dia fique responsável por participar de cinco. O salário também varia de acordo com o tipo de voo que o profissional realiza. Se faz apenas nacionais, receberá uma quantia. Esse valor pode ser duplicado caso o voo seja noturno e triplicado se for algum voo noturno em feriado ou aos domingos.

A parte boa da história é que sempre que as viagens forem longas, os comissários ficam em um hotel, esperando até o dia e horário do voo de retorno. Isso significa que, durante esse meio tempo, pode aproveitar tudo o que a natureza e as cidades têm de bom para relaxar e, quem sabe, fazer umas comprinhas.

Nada de ficar viajando 40 horas direto - é proibido por lei. "Existe toda uma regulamentação para que o funcionário tenha as horas de descanso. Um comissário não pode trabalhar direto. Ele sempre tem folgas", explica Carlos.

E como funciona? Cada voo é uma aventura nova. Carlos explica que os tripulantes não podem entrar em um voo sem se conhecerem. "Sempre antes de uma viagem, todos se encontram na sala do Despacho Operacional (conhecida como DO). Lá o comandante faz um ‘breafing’ se apresentando, dizendo o que espera do voo e fazendo um discurso que deixem todos mais à vontade e seguros e, só depois, todos vão ao avião", revela o coordenador.


Sempre lembrando que os tripulantes só entram no avião depois que a equipe de manutenção libera a entrada deles, declarando estar tudo em ordem. "Os comissários de bordo ficam responsáveis por verificarem os equipamentos de segurança. O comandante e o co-piloto ficam responsáveis por verificar a parte deles", finaliza Carlos.

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: carreira sucesso trabalho aeromoça avião