Test drive de profissões

Teste drive de profissões

Consultora de Moda/Professora Mercedes Gonzalez. Foto/Teri Bloom

Qual é o brasileiro que não sonha em ter um negócio próprio? Sair das grandes cidades e montar uma pousada no litoral. Ou ainda radicalizar e mudar totalmente de profissão. Há vários casos por ai: executivas que se cansaram da rotina do escritório e investiram na carreira de chef ou banqueteira, publicitários loucos para sair das agências e buscar a liberdade como piloto de avião, enfim, não faltam histórias.

Muita gente anda insatisfeita com a carreira e acha que partir para o plano B significa desperdício. Como diz a nossa colunista Leila Navarro “Desperdício é ficar na mesma”. Mais ainda. Ela explica que o auto-emprego é uma tendência no mundo corporativo, ou seja, muita gente consegue exercer novas profissões por conta própria, transformando seu know-how em um produto.

“Contando que atualmente as empresas não dão conta de empregar todos os talentos disponíveis no mercado, é a autonomia que pode dar segurança ao profissional moderno. Logo, não desperdice o seu talento, se você não está contente, mude, tente”.

Teste drive de profissões

Treinador de Cavalos/Foto Janis Miglavs

Para mudar é preciso pelo menos ter vocação ou talento para a nova profissão. Em muitos casos, o sonho antigo de criança vira realidade no futuro. Uma empresa norte-americana dá um empurrãozinho para quem está na dúvida. Chamada de VocationVacations, ela funciona como uma espécie de “test drive profissional”.

Teste drive de profissões

Conhecedor de vinhos/ Professor Myron Redford. Foto/Janis Miglavs

O professor passa dois ou três dias explicando como funciona a própria carreira. Você pode experimentar de tudo, desde ator, comediante, instrutor de cavalos, agricultor ou instrutor de vôo. São mais de 125 carreiras únicas, que também incluem chef de cozinha, instrutor de esportes radicais e até adestrador de cães. A experiência é feita nos próprios locais de trabalho, seja no campo ou em estúdios de Tv.

“É uma forma de a pessoa garantir que estará no caminho certo, antes de assumir um risco e descobrir tarde demais que os seus sonhos não correspondem ao seu talento ou necessidades financeiras”, diz o idealizador do projeto Oregon's Brian Kurth, no site da empresa (www.vocationvacations.com).


A maioria dos participantes têm idades entre 35 e 50 anos e busca, se realizar profissionalmente. São homens e mulheres que chegam a desembolsar entre 299 e 2500 dólares para fazer o “test drive”. Muita gente aproveita o período de férias para continuar trabalhando, só no teste de um projeto que pode ser concretizado em longo prazo. Imagine só. Viajar e conhecer novas profissões e, no final, ainda voltar cheias de planos, nada mal para a carreira, não?

Por Juliana Lopes

Comente