Saiba ser resistente e defenda suas posições

Saiba ser resistente e defenda suas posições

No cotidiano corporativo, muito se fala sobre como lidar com resistências às mudanças, com a não colaboração. Estratégias e metodologias, às vezes criativas, e em muitas outras bastante brutais, são adotadas com o claro objetivo de neutralizar obstáculos e dissidências. Nesse contexto, onde impera a cultura do sim (a qualquer custo), em detrimento do não (construtivo), opiniões discordantes são desencorajadas em prol da urgência do dia-a-dia. Resumindo, não existe tempo para discutir, ou melhor, para pensar.

Em alguns ambientes, decisões e mudanças são efetivadas, num clima, onde pouquíssimos tem a oportunidade de discordar ou discutir construtivamente. Esses poucos corajosos, quase sempre passam a carregar alguns estigmas. Coisas como "ele é do contra", ou "ela é resistente". Não raro, algumas carreiras são prejudicadas por conta disso.

Mas é importante que se faça justiça. Essas pessoas, os resistentes, eventualmente podem ser geradores de inúmeros problemas, porém, (sempre existe um porém), em outras ocasiões, trazem salvação, lucidez, e uma visão pé no chão dos acontecimentos.

O fato leitoras, é que cada vez mais noto que muitas lideranças detestam dissidências ou críticos contundentes. Não me refiro ao acomodado de plantão, ao amante do remanso. Me refiro àquela voz crítica que resiste aos absurdos, ao impossível, à insensatez.

Não é fácil ser resistente nos dias de hoje. Para se proteger, precisam fundamentar com precisão os seus argumentos, e encarar o fato de que por algum tempo poderão ser preteridos na cena corporativa. Mas para quem não está disposto a aceitar qualquer argumento ou mudança, que não aceita desenvolver uma carreira passando por cima da própria personalidade e acredita no ditado de Nelson Rodrigues de que quase "toda a unanimidade é burra", vale a pena observar algumas dicas de conduta para evitar perseguições e ataques corporativos:

1 - Evite o desperdício de munição. Não critique tudo, a toda hora, o tempo todo. Isso desestrutura a sua credibilidade, e mesmo quando apresentar bons argumentos, estes estarão fragilizados pela falta de impacto.

2 - Escolha com cuidado os temas pelos quase vale a pena comprar uma discussão. Mas uma vez aceito, aborde com profundidade e firmeza, sem deixar de respeitar as posições discordantes.

3 - Estude seus argumentos, e faça uma análise prevendo as reações. Prepare-se.

4 - Cuidado com o tom. Seja elegante e saiba dialogar.

5 - Saiba perder, mas sem deixar de ser coerente. Caso seja derrotada na discussão, incorpore a decisão majoritária, mas jamais abandone as suas crenças, caso não tenha sido de fato convencida.

6 - Faça críticas construtivas, e jamais permita que o embate se mova para o lado pessoal.


Por fim, tenha sempre em mente que ter personalidade traz o seu custo. Esteja pronta para bancá-lo. Poder até ser meio caro em algumas situações, mas é muito mais gratificante.

Gustavo Chierighini, atento observador do universo corporativo, é fundador e publisher da Plataforma Brasil, especializada em informações e conteúdos de inteligência empresarial. www.pbrasilnet.com.br

Comente