Quando mudar de emprego?

De um lado, o profissional desencorajado a cumprir as tarefas diárias no trabalho, contabilizando atrasos na entrega dos afazeres, atrasos no horário de entrar, aquele cansaço, mau humor e impaciência. Sintomas que podem significar estresse ou uma insatisfação no trabalho. Do outro lado, líderes que não motivam mais o profissional. Afinal, quando chega a hora de mudar de emprego ou, até mesmo, de carreira?

Na visão do consultor de carreiras Julio Sérgio Cardozo, existem dois momentos em que é previso reavaliar a questão. O primeiro acontece por volta dos 30 e dos 35 anos; e o segundo depois de já ter oito ou dez anos de estrada. No balanço, o profissional precisa rever se está feliz, se há perspectiva de conquistas, se progrediu e alcançou metas que havia planejado. Se as respostas não forem positivas, hora de procurar uma solução.


Alguns sinais vão demonstrando que a hora de mudanças chegou. Além dos já citados, como a irritabilidade e impaciência, vale citar quando o colaborador passa a ver a empresa sob um viés negativo, inclusive passando a falar dos pontos de discordância para os amigos, deixando de indicar que estes enviem currículo para a companhia. Ou, então, não se interessa mais pelo assunto de trabalho. Indicadores suficientes para uma reflexão mais profunda sobre o assunto.

Por sua vez, se a empresa não oferece mais nenhuma chance de crescimento, tanto no aspecto profissional quanto no salarial, não envolve o funcionário em novos desafios, não demonstra reconhecimento pelo serviço, dificilmente encontrará alguém que realmente vista a camisa e se dedique como ela espera.

Por Lívany Salles

Comente