QI (Quem Indica), pode?

Quem Indica

Foto: Ghislain & Marie David de Lossy/cultura/Corbis

Cursos, treinamentos e especializações formam uma boa receita para o currículo ideal. No entanto, o ingrediente "networking" é essencial para dar liga ao sucesso na carreira.

Um bom cargo que lhe aguarda pode nem conhecer o seu rostinho se você não tiver uma rede de contatos satisfatória. Com isso, queremos dizer que você precisa começar a praticar o famoso "QI", o Quem Indica, o quanto antes!

Só no Brasil, seis em cada dez empresas utilizam o QI na hora de contratar, de acordo com a consultoria Deloitte. "Esse fator é comum em empresas familiares privadas, no setor político e em cargos específicos ou de confiança", contou o diretor de RH Fernando Monteiro Capella.

Até pouco tempo ouvíamos as pessoas dizerem: "Me diga com quem andas, que te direi quem és". Hoje, sem dúvida, ajustamos esse ditado popular para: "Me diga como é teu networking, que te direi quem és". Essa foi a forma que Luiz Gabriel Tiago, Diretor da SGEC Brasil - Sr.Gentileza Educação Corporativa, encontrou para esclarecer sobre a importância do QI.

E continuou: "Manter bons relacionamentos nos dias de hoje é fundamental por uma série de motivos: aumenta as possibilidades de uma oportunidade profissional, leva ao aprendizado de coisas novas com pessoas diferentes e mantém a pessoa atualizada sobre as novidades do mercado, por exemplo".

É correta a prática do Quem Indica?

Sim! Só não deixe de lado o seu currículo...

Para Renato de Andrade, coordenador de comunicação digital que já indicou diversos profissionais e já foi indicado, a prática não é um problema. "Ter uma rede de contatos boa faz parte de um bom profissional. É algo que se trabalha também", opinou.

Mas, cuidado! Isso não significa que sua rede de contatos vá pesar mais do que seu currículo. Na verdade, os dois precisam crescer juntos, como Andrade conclui: "Uma rede de contatos só funciona bem se a pessoa for realmente qualificada".

O consultor de negócios Alcides Gaspar exemplificou: "O QI tem sido uma máxima na minha vida, mas só porque tenho mostrado capacidade de preencher as vagas as quais sou indicado". Ainda assim, o QI o ajudou muito em uma entrevista. "Em um dos empregos que arrumei, o responsável pela vaga mencionou preferir me contratar a escolher o outro candidato, tudo por eu ter sido indicado por uma pessoa de confiança."

Vale lembrar que não adianta ter conquistado um emprego via QI se você não mostrar que é competente para o cargo. Sem deixar claro quais são seus valores, habilidades e pontos positivos, a rede de QI vai parar aí para você.

Como faço para criar uma boa rede de contatos?

Mario Persona, consultor de estratégias de comunicação e autor de mais de 5 livros sobre o assunto, dá a dica: "O tempo para se começar a criar uma rede de relacionamentos é na escola. Os colegas da faculdade poderão ser os empregadores de amanhã, ou mesmo clientes e parceiros".

Ao contrário das gerações passadas, temos o recurso das redes sociais. Além do Facebook e Twitter, mergulhe também no universo do LinkedIn, próprio para o mundo profissional, e não se esqueça de tomar cuidado com o que circula por seus murais. "A imagem que você criar nas redes sociais será a imagem que permanecerá para sempre na mente das pessoas que cruzarem seu caminho no mundo virtual", ressaltou Persona.


Quando devo indicar alguém?

Uma indicação ruim pode colocar seu emprego em jogo. Amigos, amigos, negócios à parte, lembra? Como Gaspar disse, "é importante você conhecer a carreira da pessoa, a relação dela nos lugares onde trabalhou e até seu comportamento no dia a dia".

Anotou? Então bora começar uma boa rede de contatos e manter o currículo em dia. Quem sabe até o fim do ano você já não está com o rosto em uma placa de "Procurado" por grandes empresas?

* Serviço: Mario Persona, consultor de estratégias de comunicação e Capella RH.

Por Alessandra Vespa (MBPress)

Comente