Personal assistant, a organização em pessoa!

Personal assistant a organização em pessoa

Foto Help Personal Assistant / Divulgação

Organizar residências e armários com sucesso é tarefa para poucos. O trabalho é difícil, demorado e exige estratégias inteligentes para que o resultado seja duradouro. Mas, para quem tem a formação nata de pessoas organizadas e ainda abusa de criatividade, a atividade pode se tornar uma profissão. Trata-se dos personal assistants, verdadeiros anjos-da-guarda dos desorganizados de plantão que não dispõem de tempo ou paciência para tanta arrumação.

O serviço atende a um público diverso: pessoas que mudam de endereço e nem sabem por onde começar a ajeitar os pertences, solteiros workaholics, empresários que desejam organizar seus documentos, pessoas que queiram colocar ordem em seus álbuns, filmes, livros, CDs, brinquedos, publicações.

De acordo com Nelly Oliveira, diretora da empresa Personal Houser, em São Paulo, o trabalho exige treinamento e técnicas. “O primeiro passo é convencer o cliente a fazer o descarte de tudo que não precisa. Depois, conversamos bastante para saber sobre como ele gosta de encontrar suas coisas, como é seu dia-a-dia. A partir de então iniciamos a organização de forma que o cliente possa mantê-la depois”. Se necessário, diz Nelly, uma visita posterior é feita para ajustes, caso o cliente queira mudar algo.

O custo do trabalho, segundo Heloísa Sundfeld, consultora pessoal de outra empresa do ramo, a Help Personal Assistant, depende da tarefa a ser realizada, e o valor pode ser cobrado por hora ou por orçamento fechado.

Ela diz que a maioria dos personal assistants é composta por mulheres que tenham, em primeiro lugar, bom humor, além de simpatia, educação e capricho. “Não existe uma formação específica para trabalhar na área, sendo necessário, porém, bom nível sócio-cultural e educacional e conhecimento teórico e prático em todas as tarefas que se pretenda fazer”.

Personal Houser - (11) 3258-4686

Help Personal Assistant - (11) 3828-1917

Leia também - Profissões em extinção

Por Adriana Cocco

Comente