Mulheres negras ganham 40% menos que homens brancos no Brasil

Desigualdade de gêneros no trabalho entre os brasileiros é tema de pesquisa do Ipea
mulher negra

Foto - Reprodução/Shutterstock

Apesar de todas as conquistas femininas nos últimos tempos, as mulheres ainda sofrem com as diferenças no que diz respeito ao trabalho e às finanças. É inegável que houve um salto positivo na condição da mulher na sociedade, visto que, em 1970, apenas 18,5% delas eram economicamente ativas. Em 2010, este número subiu para 50%. Ainda assim, as mulheres precisam lutar por seu espaço no cenário sócio-econômico, buscando a igualdade de salários.


A pesquisa “Mulheres e trabalho: breve análise do período 2004-2014”, do Ipea, feita com base em dados das Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios (Pnad) elaboradas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que a situação da mulher brasileira, em especial, das negras, não é nada satisfatória. O relatório aponta que 59% das brasileiras estavam empregadas em 2005; já em 2014, esse número caiu para 57%. Avaliando os dados dentro do mesmo período (2005-2014), a pesquisa estaca que os homens mantiveram um percentual médio de 80%.

No quesito salário, a os dados apontam que em 2014 a renda das mulheres conseguiu ultrapassar, pela primeira vez, 70% do salários pagos aos homens. Em 2004, elas ganhavam apenas o equivalente a 63% dos rendimentos recebidos por funcionários do sexo masculino. Contudo, se a realidade trabalhista melhorou para as mulheres brancas, as negras não tiveram a mesma sorte: a renda das mulheres negras no país não chega a 40% da renda dos homens brancos. E para piorar, elas também estão mais suscetíveis ao desemprego, o que significa que em caso de redução de custos, as empresas podem optar por demitir suas funcionárias negras, preservando os de cor branca.

pesquisa desigualdade de gêneros

Foto - Reprodução

Os pesquisadores do Ipea concluíram que 39,1% das mulheres negras empregadas estão em um contexto precário de trabalho, seguidas pelos homens negros (31,6%), mulheres brancas (27%) e homens brancos (20,6%). A pesquisa destaca também que em 2014 as mulheres ganharam menos do que os homens:  R$1.288,00 (média) para elas contra R$1.831,00 (mpedia) para eles. Comparando os salários de mulheres mulheres negras e homens brancos com base no mesmo ano de 2014, a remuneração mensal é ainda mais discrepante: R$946,00 para elas e R$2.393,00 para eles.

Por Renata Branco

Comente