Mulheres empreendedoras

Mulheres empreendedoras

A quarta edição do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios premiou recentemente seis mulheres em São Paulo. Reconhecidas como exemplos de empreendedorismo, elas faziam parte de um grupo de 274 que se inscreveram no estado. Pelo Brasil, foram mais de 2 mil inscrições.

Três avaliadores tiveram a tarefa de ler as histórias e atribuir, via sistema eletrônico, um nível de conhecimento para 45 critérios que envolvem as características empreendedoras segundo os princípios da gestão para a qualidade.

Na segunda etapa foram realizadas as verificações - visitas técnicas nas empresas com maior pontuação - com o objetivo de investigar se todas as informações enviadas pela concorrente eram verdadeiras. “A avaliação é simples e justa, pois a participante conta sua história e é avaliada por três pessoas diferentes”, diz Tamara Queiroz, coordenadora estadual do prêmio no Sebrae-SP.

Simone Cristina Costa e Souza, Cíntia Duarte e Giovana Barbieri foram as três primeiras colocadas, respectivamente, na categoria “proprietárias de micro e pequenas empresas”. Lenita Aparecida Rodrigues, Leandra Barbosa Vilas Boas e Deli Espíndola as vencedoras na categoria “grupos de produção formal”.

Simone é dona de uma franquia da escola de idiomas CNA, em Presidente Prudente, e conduz seu próprio negócio há sete anos. Sempre acreditou em seu potencial e, pacientemente, aplicou as receitas financeiras de que dispunha na estrutura física do empreendimento. “Estou muito feliz em ter recebido o Prêmio. Com isso, acho que sirvo de exemplo para outras mulheres e posso incentivá-las a também fazerem de seus sonhos uma realidade”, disse.

A primeira colocada em grupos de produção formal tem 78 anos. A artesã Lenita Rodrigues dirige a Cooperativa de Produção dos Artesãos e Artistas Plásticos de Campinas (Cooper Art Camp) desde 2004, quando após 43 anos dedicados ao magistério, decidiu trabalhar integralmente com artesanato. A iniciativa de criar a cooperativa é pioneira e exigiu a superação de vários desafios.

As segundas colocadas também estavam radiantes. Cíntia Duarte, da Cíntia Fotografias, participou pela segunda vez do Prêmio. “No ano passado eu estive como uma das finalistas, mas esse ano tem um gosto especial. Eu e minha equipe levamos esse troféu como se fosse de primeiro lugar!”, comemorou a empresária, que há dez anos abriu o empreendimento na cidade de Lençóis Paulista, enfrentando o desafio de quebrar o preconceito de uma profissão em que predominava o exercício masculino.

Leandra Vilas Boas quase não conseguiu descrever o que sentia. “Estar aqui e ganhar esse prêmio foram experiências únicas e maravilhosas”, resumiu a empreendedora, que comanda a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Martinópolis (Acamart), na região de Presidente Prudente. Ela é a única representante feminina do grupo formado por 14 catadores, que chegam a recolher 500 quilos de materiais recicláveis e vender cerca de 25 toneladas de vidro, alumínio e papel por dia.

As primeiras colocadas em cada categoria disputam agora a etapa regional Sudeste e as duas vencedoras - uma empresária e uma representante de grupo de produção formal - seguem para a premiação nacional, que acontece em Brasília, em data a ser definida. Desta última etapa saem duas vencedoras, que ganharão uma viagem internacional a um centro de referência mundial em empreendedorismo.

Segundo pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) o nível de empreendedorismo entre as mulheres ultrapassou o dos homens pela primeira vez. Em 2007, as brasileiras representavam 52% dos empreendedores adultos (18 a 64 anos) no Brasil, invertendo uma tendência histórica. Em 2001 os homens empreendedores representavam 71% contra 29% das mulheres.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente