Mulher entende de cerveja!

Mulher entende de cerveja

Khatia e Letícia Borges. Foto: divulgação.

Cerveja e mulher habitam o imaginário masculino no melhor sentido da diversão. Que mulher pode entender de futebol, a nossa querida Marta já provou. Mas será que entendem de cerveja? Duas amigas de São Paulo dão um show no assunto e provam que sim!

Letícia Borges tentava se entender com a bebida tão popular aqui no Brasil. Experimentava marcas nacionais e importadas - e nenhuma agradava completamente seu paladar. "Mas quando você prova uma cerveja realmente boa, o paladar muda, até evolui", acredita.

E foi isso que aconteceu com ela. Num belo dia, a empreendedora foi a um happy hour com alguns amigos e provou algo diferente e inusitado que mudaria até sua carreira: uma boa cerveja. A ideia de abrir um negócio já rondava a cabeça de Letícia mas, naquele dia, só pensava na possibilidade de ter a cerveja como produto principal. O problema é que precisava de uma parceira. Foi aí que entrou Khátia Borges, a tia e amiga, que topou na hora a sociedade.

A "Casa da Cerveja" então ganhou vida, em 2005, e hoje vende mais de 30 marcas de diferentes escolas cervejeiras, das tradicionais às contemporâneas, além de copos especiais. "Distribuímos para todo o Brasil, mas a matriz fica em São Paulo".

Para se tornar especialista na bebida, não teve outro jeito. "Só bebendo mesmo", conta Letícia. Mas o gosto de cada cerveja fez com que ela se interessasse cada vez mais pelo produto. Ela afirma que, para ser um bom bebedor, tem que ter a mente aberta. Existem tantos tipos diferentes de cervejas, amargas, doces, misturadas com frutas, que não adianta falar ‘não gosto’. "A pessoa não pode ter preconceitos, tem que experimentar sempre", afirma.

Para se ter ideia, existem mais de 120 estilos da bebida fabricados mundo afora, mas a grande maioria dos brasileiros só consome a chamada Pilsen. As variações nos ingredientes dão origem a mais de 2 mil rótulos, portanto, não adianta mesmo dizer que não gosta de cerveja. "A pessoa tem que estar disposta a trocar cervejas de R$ 1 por uma de R$ 10, mas que te dará um prazer muito maior", afirma a empresária. "A ideia é que as pessoas consumam menos e com melhor qualidade", completa.

Uma boa pedida para aprender mais sobre essa iguaria fermentada e, quem sabe, apreciar a bebida, é conversar com quem entende do assunto. A "Casa da Cerveja" oferece a sua clientela um curso exclusivo para aprender sobre a cerveja e como harmonizá-la com alimentos, com a mestra cervejeira e sommelier por profissão Cilene Saorin.

No curso, você aprende qual tipo de cerveja combina com que prato, petisco e até sobremesa, para que nenhum deles perca a sua essência e sabor. A princípio, o curso será ministrado somente na última semana de cada mês.


Por enquanto, ele é básico (são cinco aulas sobre cervejas e cinco sobre harmonização), mas segundo Letícia, a intenção é evoluir. "Queremos falar sobre a produção da bebida, matéria-prima, serão aulas mais detalhadas para quem quiser saber mais", afirma.

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: carreira mulheres cerveja profissão pilsen