Mudanças no mercado de trabalho: como se adaptar

Mudanças no mercado de trabalho como se adaptar

Antigamente, era comum que uma pessoa se formasse numa universidade ou mesmo no Ensino Médio, entregasse seu currículo em grandes empresas, fosse contratada e fizesse sua carreira naquele lugar. Assim, a maioria dos empregados passava a vida numa só instituição, e crescia de forma vertical, ou seja, tinha mais oportunidades de crescimento se tivesse mais tempo de serviço naquele local.

Gerações se passaram e tudo mudou. Uma das razões foi a transformação da comunicação: se antes era necessário ligar num telefone fixo e tentar localizar alguém, hoje existem os celulares; mais do que isso, com os smartphones, é possível inclusive receber e enviar e-mails em qualquer lugar. Os notebooks, somados à tecnologia wi-fi, que permite o livre acesso à internet e se espalha por vários estabelecimentos, também contribuem para as mudanças nas relações de trabalho e já são realidade atualmente.

Com tantas mudanças, o trabalhador de hoje precisa encontrar seu lugar nesse "novo mundo" se quiser ter um amanhã na carreira. "É necessário que esse profissional seja capaz de se adaptar rapidamente a novas tecnologias e maneiras de trabalhar e, além disso, seja responsável por sua carreira", diz o consultor e Coach Executivo Carlos Cruz. Isso porque a ideia antiga de que a carreira dependia somente da empresa está ficando para trás, junto com a escolha da carreira visando principalmente o retorno financeiro.

"A nova geração, que ocupará os cargos de chefia nos próximos anos, tem facilidade para lidar com a cooperação, agilidade e tecnologia", afirma Carlos. E, como o mercado de trabalho será influenciado por essa geração (chamada de geração Y), ele terá características diferenciadas: horários flexíveis, mais gente trabalhando em casa, menos burocracia.

Para lidar com o mercado daqui a algum tempo, é necessário ter jogo de cintura. O consultor sugere que, em primeiro lugar, as pessoas invistam no autoconhecimento. "É bom parar para refletir sobre nossos passos na vida profissional, levantar conquistas e necessidades e avaliar o que pode ser melhorado".

O conhecimento tradicional e a formação serão cada vez mais valorizados, portanto, invista em você. Não espere a empresa abrir um programa de benefícios para fazer uma faculdade, por exemplo. Você mesma pode propor isso, e há grande chance de sua chefia avaliar a proposta se você fizer seu marketing pessoal, mostrar que tem vontade de crescer e pode contribuir para a melhoria da empresa.

Ser responsável pela sua carreira implica em traçar objetivos que não dependam da instituição em que você trabalha. "Tome cuidado ao definir que em três anos você tem como objetivo alcançar o cargo X, pois esse é um referencial externo que depende de terceiros e você corre o risco de se frustrar", orienta o especialista.

O segredo para ter metas que dependam de você e de seu esforço é responder à pergunta: como posso estar mais realizado profissionalmente daqui a dois, cinco ou 10 anos? "Em seguida, trace objetivos secundários que, neste caso, podem estar relacionados a assumir a liderança da equipe Z na empresa A".

O próximo passo é ter foco na ação, assim você não se perde. A questão que deve ser respondida aqui é "Como saberei que estou alcançando meus objetivos na carreira?" A dica é criar metas menores para alcançar cada objetivo já proposto.

Por último, seja capaz de lidar com mudanças, porque às vezes elas serão fundamentais. "Revise, constantemente, o seu plano de carreira verificando se os indicadores de sucesso estão sendo alcançados e, em caso positivo, comemore. Esteja aberto aos resultados e, se for preciso, mude". O novo desafio é aprender a lidar com a autonomia para saber dividir o trabalho com outras áreas e, ainda assim, ser mais eficiente com mais qualidade de vida.

Confira mais dicas de Carlos sobre o profissional do futuro:

- Não teremos mais de cumprir horários rígidos e o que vai nos governar é a nossa própria responsabilidade. Cada indivíduo será chefe de si próprio e, por isso, deverá saber se auto-disciplinar.

- Esqueça os valores fixos pagos mês a mês e aprenda a negociar uma remuneração por trabalhos realizados. Diga adeus ao holerite.

- Reflita sobre a sua realidade hoje e faça as escolhas profissionais baseadas em seus valores, ou seja, com o que realmente importa para você. Afinal de contas, as novas tecnologias vão ampliar ainda mais as possibilidades de trabalhar ao redor do globo, em qualquer horário.


- Os profissionais com mais tempo de experiência e condicionados com o velho modelo de trabalho estão tendo que aprender com a nova geração, que normalmente já tem a combinação tecnologia-velocidade-flexibilidade-cooperação.

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente