Marissa Mayer: a queridinha do Google

Marissa Mayer a queridinha do Google

Foto/Divulgação

Em 2008, aos 33 anos, ela se tornou a mulher mais jovem a marcar presença na lista das mais poderosas segundo a revista Fortune. Hoje, Marissa Mayer, que foi a primeira engenheira a entrar no Google, é vice-presidente de Pesquisa de Produtos e Desempenho dos Usuários na empresa, além de comandar o Google Movies - excursões realizadas algumas vezes por ano para levar mais de 6.000 pessoas a assistirem aos mais recentes sucessos de bilheteria. Nem parece verdade, mas uma mulher como essa tem tido sua vida considerada de celebridade, e que se intensificou depois do sucesso da entrevista que fez em março com a popstar Lady Gaga.

A entrevista - intitulada de Google Goes Gaga - durou uma hora e contou com perguntas da própria Mayer, além de questões formuladas por funcionários, internautas, por meio da ferramenta Google Moderator e, é claro, pelo Twitter. Conduzida pela vice-presidente da empresa, a entrevista tenta mostrar como a artista, uma das campeãs de buscas do Google, teve o apoio da tecnologia e do próprio site para consolidar sua carreia ao redor do mundo. Mas se isso foi possível, Lady Gaga deveria começar agradecendo à sua entrevistadora. Isso porque ela é quem comanda a área de pesquisa na web, imagens e notícias do site de busca. Foi ela também que criou a Barra de Ferramentas do Google e ajudou a internacionalizar o site para mais de 100 idiomas. Ou seja, sem as invenções da genial Mayer, Gaga provavelmente jamais teria atingido o posto de líder de buscas em 2009 e 2010 e alavancado sua carreira mundialmente.

Pode-se dizer que toda a capacidade intelectual que permitiu que Mayer alcançasse o status que tem hoje veio do Bacharelado e Mestrado que ela fez em Stanford, na área de computação, se especializando em Inteligência Artificial. Como se não bastasse, seu currículo tem ainda um doutorado em engenharia no Instituto de Tecnologia de Illinois. É incrível pensar que uma mulher como ela, que além de tudo isso deu aulas de programação para mais de três mil estudantes, possa ter uma vida normal. Mas ela consegue. Quando não está tendo reuniões com físicos ou executivos importantes para traçar os novos rumos do Google, Mayer alimenta uma paixão por cupcakes, compras e arte. Além de brincar com seu cachorro, um robô chamado Rover. E, por mais impossível que isso pareça, consegue arrumar tempo para vida afetiva; desde 2009 ela é casada com Zachary Bogue, co-fundador de uma empresa de investimento financeiro.

Filha de uma professora de artes e dona de casa e de um engenheiro, Mayer - que hoje é a mulher que se ressalta numa sala cheia homens da empresa que tem o site mais acessado do mundo - continua sendo, em alguns momentos, apenas uma garota "nerd", entusiasmada e normal. Prova disso é o fato de que, recentemente, ela comprou uma coleção de livros, não de computação, mas de receitas, para estudar seus tipos prediletos de cupcakes e elaborar um ela mesma. Para ela, uma das principais explicações de seu amor pela cozinha é o fato de que ela é muito científica. Mayer pontua explicando que os melhores cozinheiros são também químicos.

As predileções da vice-presidente do Google não param por aí. Hoje ela - que já estimam ter uma conta bancária de algumas centenas de milhões de dólares - pendura nas paredes de sua casa em Palo Alto obras de artistas como Andy Warhol e Roy Lichtenstein, e usa roupas de Oscar de La Renta e Carolina Herrera, seus estilistas favoritos. Há um bom tempo, em meados de 1999, antes de entrar para o Google - que àquela altura não tinha nenhuma popularidade - pode-se dizer que Mayer não tinha muito além de um currículo genial, 11 ofertas de trabalho e uma coleção de bonecas que vinha de sua infância.


O status que ela conseguiu depois de criar aplicativos sem os quais não conseguimos mais imaginar nosso dia a dia - como o Google Earth - vem não só de seus méritos intelectuais, mas de suas características pessoais. De acordo com o fundador da revista de americana de tecnologia Wired, no Google tudo depende do quão bem você defende um ponto de vista. E essa é uma das coisas que Mayer faz melhor. Ela fala rápido, não tem paciência com aqueles não conseguem acompanhá-la e é extremamente competitiva para todos os assuntos imagináveis. Ela quer fazer o melhor cupcake e vestir as roupas mais bonitas de Carolina Herrera, assim como quer que o site do qual é vice-presidente seja o mais acessado do mundo.

Por Giulia Lanzuolo (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: carreira