Máquina de passar roupa - invenção feminina

Agillisa

Agillisa / divulgação

Uma das tarefas domésticas mais odiadas com certeza é passar roupa. Afinal, quem é que gosta de passar um tempão tentando desamassar os tecidos? E quem nunca se queimou com o bendito ferro de passar?

Foi tentando se livrar dessa necessidade incômoda que a ex-comissária de bordo Celia J. de Oliveira acabou se tornando inventora - e empresária. Ela desenvolveu a Agillisa, uma máquina que passa, desodoriza e seca as roupas automaticamente.

"A ideia de solucionar o problema de ‘tempo’ dispensado surgiu em 1995, quando, já cursando a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, não me conformava em realizar essa tarefa doméstica tão desagradável e cansativa. Comecei então a trabalhar no projeto de um eletrodoméstico que pudesse realizar essa tarefa de forma automática", lembra.

Ela contou com a experiência de 18 anos como comissária de bordo, "quando usava o vapor do chuveiro nos hotéis para passar as roupas de viagem" e com a ajuda do irmão, Lupércio J. de Oliveira - técnico em mecânica. Juntos, eles desenvolveram um protótipo. O projeto exigiu pesquisas. "Pesquisei geradores de vapor, formas de geração de vapor e as propriedades do vapor, bem como as propriedades e o comportamento dos tecidos utilizados para a confecção de peças de roupas do vestuário em geral", conta Celia. Em seguida, o protótipo foi automatizado com o auxílio do engenheiro mecânico Juarez Tenório Junior.

"O passo seguinte foi patentear a ideia e transformar o protótipo em produto. Para tanto, após a expedição da Carta Patente de Invenção, em 1999, busquei ajuda no Centro de Tecnologia da Universidade de São Paulo/CIETEC/Escola Politécnica onde, de 2001 a 2005, o produto foi desenvolvido", conta a empresária.

Mais tarde, ele foi para o mercado ser testado, inicialmente apenas por um ano (do fim de 2006 ao fim de 2007) e somente na cidade de São Paulo e na região metropolitana. Em 2008, as vendas se expandiram para todo o estado paulista, e no ano seguinte, para o Brasil inteiro. Celia relata que não foi tão fácil ganhar a confiança do público. "Como a toda nova ideia e mudança radical de processo, sempre existe uma resistência ou desconfiança. Foi necessário criar um showroom para demonstração de funcionamento e desempenho do produto e também um site, a princípio didático, onde era ensinado o passo-a-passo do processo".


Orgulhosa, a empresária enumera as vantagens de seu produto em relação a um ferro de passar convencional. "A economia de energia elétrica é de 48% quando comparada com a mesma quantidade de roupas passadas no ferro elétrico. É possível desodorizar peças como blazers e paletós para retirar cheiros de suor ou de ‘guarda-roupas’. E ainda higienizar peças íntimas e infantis. É um produto que se preocupa com o meio ambiente, não utiliza produtos químicos, reaproveita a água condensada pelo vapor, economiza energia elétrica e trata as roupas com carinho, aumentando a durabilidade das peças", conta.

O site da Agillisa: www.agillisa.com.br explica o funcionamento. Para quem quiser conhecer pessoalmente, a máquina está nas lojas Spicy, do Shopping D&D e do Jardim América, São Paulo. O valor do produto desanima um pouco, no site é R$ 2.990 e ele pode variar nas lojas.

Por Priscilla Nery (MBPress)

Comente