Lidando com chefes difíceis, por vezes insuportáveis

É desastroso que seja assim, mas desenvolver essa habilidade é essencial para o dia a dia do trabalho. O ideal seria nos preocuparmos exclusivamente em dominar as ferramentas necessárias para exercermos bem as nossas atividades, envolvendo atualização, aprimoramento e, é claro, com uma boa dose dos ingredientes da iniciativa, do senso de responsabilidade do comprometimento e do bom-senso. Para uma composição ainda mais completa, o domínio de um idioma estrangeiro (pode ser o inglês que ainda é amplamente adotado), e de uma boa comunicação, seja pela escrita ou pela oratória.

Por favor, peço que pare de ler o texto por aqui, e releia o trecho acima. Como pode observar, não é pouca coisa. Mas no mundo corporativo isso não é o bastante. Saber lidar com chefes despóticos, inseguros e infantis pode não apenas ser imperativo para a sua sobrevivência profissional, mas fundamental para manter a sua sanidade mental.

Os especialistas afirmam que o berço desse comportamento hostil e desagregador está na insegurança desses profissionais. Uma vez instados a atuar como seres a prova de imperfeições e submetidos a uma enlouquecedora atmosfera de pressões, retribuem com uma liderança cheia de neuroses e teatralmente montada para fazer jus às expectativas irreais dos seus superiores. Esses por sua vez enfrentam a mesma situação e acabam por contribuir na reprodução desse comportamento, como um "efeito dominó" de cima para baixo, adoecendo a vida nos escritórios.

Mas algumas dicas podem ajudar a lidar com essa complicação:

1 - Planejamento e Controle Próprio

Procure criar um sistema próprio de trabalho, onde o passo a passo das suas atividades estejam claramente destacados e enumerados. Faça isso para o passado, o presente e o futuro. Pessoas ansiosas necessitam exercer rigoroso controle sobre todos os detalhes. Mas ao perceberem que seus subordinados já se preocuparam com isso, geralmente relaxam de dirigem a atenção para os setores menos organizados. A única ameaça desse modelo é você se tornar tão obsessiva quanto o/a seu/sua chefe. Portanto trate isso como um recurso excepcional, nada além disso. Cuidado!

2 - Postura

A subserviência alimenta os/as déspotas. Ao agir dessa forma você vai atrair as hostilidades, por ter se tornado um alvo seguro para que ela seja depositada. Haja com respeito próprio e segurança. Não se trata de agressividade, isso pode estereotipar você. Mas seja firme nas atitudes e no tom de voz. Chefes autoritários e agressivos geralmente são também covardes.

3 - Compartilhe informações

A insegurança dessas pessoas faz com que tentem neutralizar toda e qualquer autonomia. Para sair fora desse cerco, atue compartilhando informações de forma com que não se sintam ameaçadas ou alheias aos acontecimentos.


Se nada disso der certo, provavelmente o seu ambiente de trabalho está tão contaminado que o risco de você mesma enlouquecer (esse clima é extremamente contagioso) é grande. Nesse caso, prepare a sua saída e vá em busca de uma nova ocupação. Ao encontrá-la, caso tenha subordinados, cuidado para não agir da mesma forma.

Gustavo Chierighini, atento observador do universo corporativo, é fundador e publisher da Plataforma Brasil, especializada em informações e conteúdos de inteligência empresarial. www.pbrasilnet.com.br

Comente