Gestão de pessoas e direitos trabalhistas

No livro "Gestão de Pessoas não é com o RH", o autor José Luiz Bichuetti afirma que os ativos de uma empresa não são compostos somente por equipamentos, mas sim pelas pessoas que nela trabalham.

A advogada trabalhista Sylvia Romano concorda e vai além, diz que em muitas corporações a responsabilidade dos seus advogados limita-se à elaboração de contratos e a apagar os incêndios, principalmente ligados aos direitos trabalhistas por ocasião da demissão, inclusive a voluntária, dos seus colaboradores.

Ela questiona: "Quem entende dos trâmites legais dos direitos trabalhistas? E dos seus direitos e deveres? Quem deve conhecer os acordos pactuados com os sindicatos? Quem irá representar a instituição legalmente? Quem poderá prever futuros embates jurídicos?".

"No meu entender como advogada, toda e qualquer decisão sobre a vida de qualquer tipo de colaborador, seja uma contratação, promoção, premiação ou demissão durante todo o período da relação profissional, deveria sim ser avalizada pelo departamento jurídico, pois na minha vivência profissional já vi e defendi ambos os lados da relação, e o prejuízo, na grande maioria das vezes, costuma ser sempre do empregador", conclui.

Por Lívany Salles

Comente