Geração Y: multifuncionais e impacientes

Geração Y multifuncionais e impacientes

Eles são imediatistas, arrogantes, criativos e sempre precisam de novos desafios para se sentir estimulados. Como têm entre 18 e 30 anos, cresceram no mundo globalizado e têm intimidade com novas tecnologias. Essa turma também realiza, com eficiência e rapidez, diversas atividades ao mesmo tempo. Eles fazem parte da chamada geração Y e não chegaram ao mercado de trabalho para dançar conforme a música.

Lidar com essas características é um dos desafios das empresas em todo o mundo. Para Renato Grinberg, especialista em mercado de trabalho, o mais complicado é gerenciar as expectativas desses jovens, que esperam que tudo aconteça muito rápido. “Muitos esperam a possibilidade de assumir posições de liderança logo após um programa de trainee. Na grande maioria dos casos, isso é inviável”, explica.

O especialista acredita que é necessário produzir novos desafios dentro das organizações para que os jovens dessa geração estimulem a criatividade e, assim, produzam mais. Contudo, Grinberg destaca a necessidade de que alguém com experiência conduza essa turma para que excesso de ansiedade e impaciência não se transformem em barreiras intransponíveis.

O choque cultural entre esses jovens e os profissionais das gerações anteriores também é uma das maiores preocupações das empresas. O ideal é que as corporações consigam dosar a garra e a pró-atividade dos novos com a sabedoria dos mais velhos. Assim, os dois lados podem trabalhar em conjunto.

“Outro fator que me chama atenção na geração Y, de maneira negativa, é uma certa arrogância e prepotência com que eles encaram o trabalho. Muitas vezes, não pensam em como podem contribuir em uma empresa, mas sim o que esta empresa tem a oferecer para eles”, fala o especialista.


Apesar disso, essa geração promissora tem uma qualidade inigualável para o mercado: todos aprendem coisas novas com uma rapidez impressionante. Para um meio que cada vez mais exige dos parceiros a multidisciplinaridade, saber mudar e começar novamente é um trunfo e tanto, além da capacidade de desempenhar várias tarefas ao mesmo tempo.

A gestão de pessoas nas empresas está em transformação por causa dessa nova geração. Ponto para que as que optaram em se unir a eles. As outras, infelizmente, vão ficar para trás.

Por Talita Boros (MBPress)

Comente