Flexibilidade no trabalho

Flexibilidade no trabalho

Trabalho, casa e filhos. Essa é a rotina acelerada de muitos homens e mulheres. Mas como dar conta de tudo? É necessário fazer algumas adaptações para que as coisas funcionem bem. O Sistema Cochrane de Revisões Científicas em Saúde acaba de publicar uma análise de dez pesquisas que juntas concluíram que um sistema de flexibilidade de horário faz bem a saúde.

O doutor em neurologia e diretor do Instituto do Cérebro de Brasília, Ricardo Teixeira, explica que isso já é lei em alguns países como Escandinávia e agora a Inglaterra. Mas mesmo em locais como o Brasil, em que a flexibilidade não é um regra, as empresas já começam a notar os seus benefícios.

De acordo com Teixeira, especialmente no caso de quem tem filho pequeno o benefício é para toda a família. "Se pai e mãe conseguem essa flexibilidade, a família consegue se apoiar mais. Se hoje a mãe não pode levar a criança na escola, o pai leva, por exemplo."

Ele dá o exemplo de um amigo que tem a possibilidade de ter um horário flexível, então ele prefere trabalhar a noite e passar o dia todo com a filha pequena. "Isso não significa que ele trabalhe menos, somente trabalha em outro período. É importante notar isso."

De uma maneira geral, esse é o tipo de mudança que é ainda mais positiva entre as mulheres, já que os homens estão cada vez mais em busca de desafios e promoções no trabalho e as mulheres se sentem menos angustiadas quando podem passar mais tempo com seus filhos.

Além de benefícios para os filhos, as mudanças aparecem também na saúde mental e orgânica dos funcionários. "Os estudos provaram que há melhora no sono, equilíbrio psíquico e dos níveis de pressão arterial."

Ricardo conta que não conhece nenhum estudo específico que prove que a flexibilidade ajuda nos resultados das empresas, mas ele conta que essa é uma das mudanças que ajuda na qualidade de vida dos funcionários. E a busca por essa qualidade vem, há cerca de dois anos, sendo alvo de mudança nas empresas que perceberam a importância disso na vida dos trabalhadores.


"Algumas empresas pagam por mês para seus funcionários não fumarem ou emagreceram e isso na verdade não é um gasto, mas sim um investimento. Profissionais que tem uma condição melhor de saúde conseguem resultados melhores para as empresas."

Por Larissa Alvarez

Comente