Ex-meme do Enem faz Direito para defender vítimas de ofensas virtuais

Hevellyn virou motivo de chacota em 2015 quando chegou tarde na prova do Enem. Ela conta como foi viver a maior humilhação de sua vida em entrevista ao O Globo.
meme enem

Hevellyn conta como foi virar meme no ENEM de 2015 - Agência O Globo

Todos os anos é a mesma coisa. Milhares de jovens de preparam, apreensivos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A prova para muitos é uma das únicas chances de ingressar em uma universidade de qualidade e ainda por cima sem custo. Hevellyn Nicolle da Silva Pedroza, de 22 anos, era uma dessas estudantes esperançosas que precisava do Enem para moldar seu futuro acadêmico e profissional.

Ela saiu de casa para fazer a prova em 2015 mas não conseguiu por chegar um minuto atrasada no local de prova. O que era para ser apenas uma decepção virou um verdadeiro pesadelo. Ela implorou aos seguranças para entrar, tentou passar pela grade, foi retirada por policiais militares e, por fim, desmaiou. Tudo fotografado e filmado. A jovem foi levada para o hospital e, ao ter alta, duas horas depois, se deu conta de que tinha virado um meme.


De acordo com informações da publicação do portal O Globo, neste ano Hevellyn reviveu a tensão do Enem, não para fazer a prova, mas para ajudar que outras pessoas não virassem meme. Atualmente estudante do quinto período de Direito, ela foi uma dos 80 jovens que tentavam ajudar que estudantes não ficassem do lado de fora. Nos minutos finais, eles avisaram que o tempo estava acabando, gritavam para incentivar e até empurravam os candidatos portão adentro. Hevellyn pegou a mochila de um rapaz para facilitar a corrida e gritou para equipes de TV saírem da frente.

meme enem

Hevellyn chegou um minuto atrasada no local de prova, o campus da Uninove, na Barra Funda, Zona Oeste de São Paulo - Pedro Kirilos/24.10.2015

Por enquanto, é o que ela pode fazer. No futuro, quer se especializar em crimes cibernéticos e defender pessoas que, como ela, viram chacota na Web.

— Eu virei sinônimo de atraso. Nem precisa ser época de Enem para fazerem meme comigo. Não era essa assim que eu queria construir a minha imagem — diz.

Neste ano, o rosto da estudante voltou à timeline das redes sociais por causa do atraso. Muita gente achou graça, Hevellyn não.

— Eu ainda não consigo rir de tudo isso. Ainda me magoa. Meu maior medo é ser reconhecida em entrevistas de emprego como "a atrasada do Enem." Isso não pode definir minha vida inteira.

Na prova de 2015, Hevellyn chegou ao campus da Uninove às 12h39, mas teve dificuldade de localizar seu portão.

— Fizeram piada, disseram que eu merecia ter sido barrada, mas ninguém sabe o que aconteceu, ninguém sabe da minha vida.

Filha de uma cabeleireira e de um pai desempregado, Hevellyn já tinha iniciado o curso de Direito, mas teve de trancar porque não conseguiu o financiamento estudantil. Para não desistir do sonho, decidiu fazer o Enem mais uma vez na tentativa de conseguir uma bolsa.

— Eu me banco. Ninguém me sustenta. Quando vi que o portão fechou vi minha oportunidade escapar — contou Hevellyn.

Após virar meme, Hevellyn ganhou a bolsa de uma universidade privada e da empresa Quero Bolsa, que faz o intermédio entre alunos e faculdades com vagas ociosas. Ela já pensa em usar sua experiência em seu trabalho de conclusão de curso.

— Coleciono todos os memes para usar no meu TCC. Até pensei em processar alguns youtubers, mas vi que seria muito difícil. Somos vulneráveis na internet.

Informações via

Comente