Emprego: de temporário para efetivo, só depende de você

Emprego de temporário para efetivo só depende de v

Final de ano é a melhor época para se conseguir um novo emprego, pelo menos temporário. As empresas, principalmente comércio e indústria, sempre contratam pessoas novas porque precisam de equipes maiores para atender a demanda de consumidores que cresce nessa época do ano.

A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), por exemplo, prevê para este ano a abertura de 130 mil vagas temporárias, apenas agora, no final do ano. Isso significa um aumento de 30% nas contratações, tanto para as lojas de shoppings, quanto para fora deles, com relação ao ano passado. Trata-se de oportunidade para estoquistas, balconistas, caixas, auxiliares de gerência e vendas, vendedores, empacotadores e seguranças.

Mas e quando o contrato acaba, como fazer para ser efetivado? Juliana Almeida Dutra, diretora da empresa de consultoria Deep (Desenvolvimento Estratégico das Pessoas e Clientes), afirma que vários pontos são observados na hora de efetivar um temporário. Entre eles está a postura do profissional e os resultados financeiros trazidos para a empresa durante o período de trabalho, além do comprometimento com a empresa (desde chegar no horário até entender o portfólio e apresentá-lo ao cliente) e, claro, o potencial de crescimento que o indivíduo tem. "Comprometimento, responsabilidade e comunicação de qualidade gera confiança", completa Juliana.

Segundo ela, um dos maiores erros que uma pessoa comete ao trabalhar como temporário é exatamente pensar como um temporário, achando que o serviço só será por aquele momento quando, na verdade, deveria se dedicar como se fosse efetivo. "As empresas procuram pessoas que trabalhem de forma que passar de temporário para efetivo seja apenas uma mudança de categoria na carteira de trabalho", observa.

Por isso mesmo, se dedicar ao máximo e dar o melhor de si, sempre tentando se destacar, é o melhor caminho a ser seguido para se tornar um efetivo. "A empresa precisa de um profissional que se destaque. Hoje, há muito menos deles do que o mercado necessita", avalia Juliana.

Além da falta de comprometimento, a profissional ainda destaca outros problemas que são comumente encontrados entre os temporários que, com certeza, os levam ao fracasso - e ao consequente desemprego. "A falta de postura e de interesse, o mau atendimento ao cliente e mau relacionamento com a equipe interna também são erros que não podem ocorrer", sugere a consultora.

E ela deixa bem claro que esse ano está mesmo para peixe e a chance de uma boa fatia desses temporários ser efetivada é grande.


Portanto, manter um interesse pelo trabalho, se especializar no cliente e se relacionar bem com ele, ter um bom relacionamento com equipe interna e uma boa postura profissional são pontos chaves para conquistar uma vaga efetiva. "Outro ponto importantíssimo é o profissional saber os pontos fracos que possui, tentar melhorá-los e mostrar que quer melhorar, investir nisso", ensina Juliana. "Para bons profissionais, sempre há vagas". Depende de você agarrar a sua!

Por Tissiane Vicentin (MBPress)

Comente