De revendedora a proprietária da própria marca

De revendedora a proprietária da própria marca

Foto/Reprodução

Desde a época em que estava na faculdade, cursando Rádio e TV, Fernanda Mion já sentia que estava dando o rumo errado para a sua vida. Aos 19 anos ela resolveu que, além de estudar, gostaria também de ganhar o próprio dinheiro. Pediu um empréstimo para o pai de R$ 2 mil e foi para a Rua 25 de Março, local destinado à compra popular em São Paulo, onde adquiriu bijuterias para revender.

Não demorou muito para os primeiros sinais de que o negócio daria certo aparecerem. Após um ano, a gerente da loja onde Fernanda comprava as bijuterias perguntou se ela gostaria de conhecer uma fundição e começar a produzir as próprias peças. No começo a empreendedora produzia apenas pulseiras, sua bijuteria favorita, mas acabou criando a coleção completa ao longo do tempo.

A produção foi aumentando e, enquanto trabalhava em casa, algumas amigas da faculdade e outras conhecidas vendiam os produtos. Logo depois, mais vendedoras foram contratadas e o negócio continuou crescendo. Quando se formou na faculdade, Fernanda já tinha certeza que Rádio e TV não era a profissão que queria seguir e, com o bom andamento de sua pequena empresa, ela nem se preocupou em trabalhar na área de sua graduação.

A empresária cuidava na criação das bijuterias enquanto uma amiga ficava na produção. Ainda sem alguém para administrar o negócio, a melhor forma de manter os lucros em casa foi trazer sua mãe para ocupar o cargo, já que ela, por anos, colaborou na administração do supermercado da família e tinha conhecimentos sobre o assunto.

Depois de quatro anos, foi inevitável dar mais um passo e, como os negócios estavam dando um bom lucro, foi possível investir em uma loja. O seu pai, que ainda cuidava do supermercado, fechou o estabelecimento e, com R$ 50 mil, no dia 15 de fevereiro de 2008, ela e sua família abriram a primeira loja de bijuterias.

A Fernanda Mion Acessórios situada no bairro da Aclimação, em São Paulo, começou a dar lucros rapidamente, porém, a proprietária sofria com a desconfiança e preconceito das pessoas, por causa de sua pouca idade. Nem mesmo esses contratempos fizeram com que ela deixasse seu sonho e, aos poucos, foi conquistando seu espaço no mercado.


Atualmente, a empreendedora tem mais duas lojas, uma em Guarulhos, na Grande São Paulo e outra no bairro de Santana, na capital. Os lucros não param de aumentar e, em 2009, a empresa obteve um faturamento de R$ 4 milhões. Além dos estabelecimentos, Fernanda conta com um time de 12 funcionárias e aproximadamente 50 revendedoras distribuídas em todo o estado.

Por Carolina Pain (MBPress)

Comente