Cuidado com o trabalho em excesso

Workaholics cuidado

Filme Diabo Veste Prada em que a protagonista Andy Sachs (Anne Hathaway) trabalha excessivamente para cumprir todas ordens de sua chefe nada maleável, Miranda Priestly (Meryl Streep) Foto/Reprodução Imdb

Muita coisa mudou para as mulheres nas últimas décadas. Foram diversas conquistas pessoais, profissionais, políticas e financeiras. Tudo isso traz consequências e nem sempre elas são positivas. O excesso de trabalho pode desencadear desconfortos físicos e até doenças emocionais.

É importante lembrar que, frequentemente, as mulheres que trabalham fora de casa acumulam dupla jornada. E não é só isso. Inúmeras profissões exigem dedicação total. Obrigam que os colaboradores trabalhem em casa, além do horário de expediente. Esta situação expõe a mulher ao estresse e desgaste físico.

Entre as alterações mais comuns a ginecologista e obstetra do Hospital Israelita Albert Einstein, Dra. Patrícia Alves de Oliveira, destaca o adiamento da fecundidade, hábitos alimentares inadequados que levam a um aumento de peso e dificuldade para emagrecer, exposição ao estresse, sedentarismo e não realização de consultas periódicas e de exames preventivos. "Tudo isso favorece o aparecimento de doenças", destaca a médica.

A especialista ressalta também que mulheres expostas ao estresse apresentam mais complicações gravídicas (relacionadas à gravidez), alterações menstruais, sexuais e no padrão de sono. Dra. Patrícia Alves de Oliveira alerta: "Esses problemas geram um aumento no consumo de medicamentos".

Para lidar com este tipo de estresse, a ginecologista recomenda um fortalecimento nas condições física, psicológica e social. Ela detalha: "A melhora na condição física é obtida com controle alimentar, prática de atividades físicas direcionadas à necessidade de cada mulher dentro da sua condição social e, sobretudo, prazerosa".

E completa: "Reservar um tempo para avaliação médica e realização de exames preventivos e participar de atividades sociais e culturais nos períodos de folga, acompanhada pela família, também ajuda a recarregar as energias."

Melhor que lidar com o estresse é conseguir evitá-lo. A ginecologista recomenda que se elabore um planejamento com as perspectivas de vida, dividindo em "mulher", "profissional", "mãe" e "esposa". Segundo a Dra. Patrícia esta pode ser uma maneira de abranger todas as funções, estabelecendo prioridades alinhadas com os cuidados com a saúde física e mental. "Ao primeiro sinal de alteração de saúde procure um profissional para auxiliá-la e não adie as avaliações médicas periódicas", recomenda.

A Dra. Alexandra Passos Gaspar, fisiatra do Hospital Israelita Albert Einstei, ressalta que as mulheres possuem menor força muscular em membros superiores. Desta forma elas estão sujeitas a lesões musculares e tendíneas. "Não raro apresentam diagnósticos de tendinopatias e bursites (inflamação da bursa, pequena bolsa contendo líquido que envolve as articulações), com limitação funcional e transtornos na vida pessoal e profissional", alerta a fisiatra.

O ortopedista da Clínica Homa Espaço Médico, Dr. José Melo Chagas, revela que na região da coluna vertebral as dores cervicais, dorsais e lombares podem estar relacionadas a distúrbios por esforços nos discos intervertebrais, nos ligamentos e nas articulações interapofisárias, o que pode levar a lesões degenerativas.

Quem trabalha diante de um computador pode sofrer ainda mais. Para evitar lesões o especialista ensina a postura correta. "A tela do computador deve estar no nível dos olhos para não cansar a região cervical. Os ombros devem estar relaxados com os cotovelos apoiados no braço da cadeira e os punhos e antebraços apoiados na mesa antes do teclado do computador", explica.

Ele completa: "O assento da poltrona deve permitir um ângulo tronco-coxas em torno de 100°. O apoio do tronco deve permitir o acompanhamento das curvaturas lombares, torácicas até a cervical. E os pés devem estar apoiados". Dr. José sugere um descanso a cada duas horas, de 10 a 15 minutos, com exercícios de alongamento do tronco. Isso ajuda a evitar as lombalgias e as dorsalgias, dores causadas por permanecer excesso de tempo na mesma posição.

Exercícios de alongamentos também são recomendados. "Em algumas empresas a orientação é feita por profissional fisioterapeuta ou educador físico, considerando a atividade e o biotipo de cada indivíduo. Também massagens de relaxamento devem ser consideradas", destaca Dr. Chagas.


Os olhos também exigem cuidados. O Dr. Augusto Paranhos, oftalmologista do Hospital Israelita Albert Einstein, explica que quando exercemos qualquer atividade que exija concentração, piscamos menos. Isso acontece quando usamos computadores por longas horas. "Isso pode ser causa de olho seco", diz o especialista. Dr. Paranhos diz ainda que se a pessoa tem uma alteração primária da lágrima (de sua composição, produção ou evaporação) este piscar menos pode agravar.

"Isso pode ser ainda pior se esta atividade for executada em um ambiente com ar refrigerado ou com pessoas fumando. Uma dica é o uso de lubrificantes oculares receitados pelos oftalmologistas", indica o profissional.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente