Como contratar profissionais competentes

Como profissionais competentes

Não é de hoje que observamos a preocupação das empresas em atrair talentos. Na realidade o assunto é antigo, muito antigo. Gente competente e talentosa sempre foi valorizada e contou com atenção especial de seus empregadores. É assim desde que a revolução industrial britânica apresentou ao mundo o embrião daquilo que conhecemos como o capitalismo moderno.

Mas o fato é o tema se tornou um imenso "lugar comum" entre especialistas e atores do universo empresarial. No meio disso, como sempre, modinhas e mais modinhas de gestão. O mesmo bobajal de sempre, tentando rebatizar com novas terminologias aquilo que já se conhecia a décadas, na esperança de se apossar da autoria de algo "novo" e "revolucionário" e com isso faturar. Ok é legítimo. Contudo, a observação crítica disso também se faz necessária.

Recentemente escutei um relato onde uma empresa em busca de uma determinada certificação - algo como "a melhor empresa para se trabalhar" lançou um programa interno onde pressionava seus colaboradores a passar ao menos um final de semana por mês em companhia de seus familiares numa espécie de colônia de final de semana, oportunidade na qual poderiam interagir, trocar experiências e com isso criar uma comunidade própria.

Até poderia ser interessante para alguns (apenas alguns), caso não fosse compulsório.

A maioria das pessoas competentes que conheço, jamais tentaria obter uma vaga em uma empresa como essa.

O fato é que atrair talentos, além de estratégico para os negócios, pode significar a diferença entre o êxito e o vinagre em um empreendimento, Mas para isso acontecer, em um contexto onde uma empresa conquista a atenção e o interesse dos melhores profissionais do mercado, poderíamos deixar de lado as modinhas e os invencionismos corporativos, e partir para algo mais óbvio, elementar e efetivo, que na realidade começa no cotidiano, preferencialmente com aqueles que já foram selecionados.

Vamos lá:

1. As pessoas querem ser respeitadas. Elas podem ser convocadas a encarar intensas jornadas de trabalho e assumir pesadas responsabilidades, mas o trato pessoal com essa gente merece e deve ser feito com cuidado. Chefes arrogantes e broncas espantam gente competente;

2. Fique atenta ao comportamento dos líderes que você mesmo contratou, tirando as suas próprias conclusões sobre como conduzem suas equipes. Seja implacável com sociopatas corporativos, egocêntricas e arrogantes. Mas por favor, não se contente com os manuais da boa gestão, em lugar disso atue com firmeza.

3. Não incomode seus colaboradores com mudanças permanentes, desnecessárias e contraproducentes, só porque uma outra novidade surgiu no último evento corporativo. Mudanças causam stress, esgotamento e descontinuidade em fluxos e processos que poderiam estar avançando a contento, portanto só as implemente quando são realmente essenciais.

4. Cumpra com suas promessas relacionadas ao desenvolvimento profissional. Neste contexto trabalhe sempre com a verdade. Não invente ou alimente ilusões. No lugar disso convide a todos a enfrentar a realidade vigente, dedicando a energia do grupo para transformá-la.

5. Implemente de uma vez por todas o conceito de meritocracia, e em seguida seja radical na sua sustentação.

6. Poupe a você mesma e principalmente a sua equipe de trabalhar com incompetentes e preguiçosos.

7. Não puna os erros daqueles que erraram tentando acertar ou construir algo que poderia ter dado certo. Uma atmosfera de temor só serve para atrofiar a capacidade empreendedora do grupo.


8. Evite (ou fuja) de julgamentos comportamentais, sem fatos comprováveis ou evidências objetivas e específicas. Diante deste tipo de cenário, as pessoas costumam se preocupar mais em encarnar personagens do que em realizar.

9. Por último remunere da melhor forma possível, dividindo os bons resultados, por mérito, naturalmente.

Boa sorte e até o próxima!

Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial, empresa que atua como uma agência independente na produção de conteúdo e informação.

Comente