Chefe, estou grávida!

Chefe estou grávida

As mulheres deram o grito de independência e mostraram que são competentes e podem ocupar qualquer cargo dentro das empresas. Coordenar uma equipe e tomar decisões, por exemplo, são algumas das tarefas que o público feminino desempenha com excelência. Mas existe uma questão que ainda gera dúvida e as mulheres não sabem muito bem como devem agir: o momento de comunicar ao chefe que está grávida.

No momento em que descobre que será mãe, a mulher é tomada por um turbilhão de sentimentos que confundem sua cabeça e a deixam sem saber o que fazer. Dar a notícia ao chefe pode não ser fácil, mas é necessário. A partir do momento que você foi contratada seu chefe firmou um laço de confiança com você. Não é correto que esconder esse momento dele, pois além de trair sua confiança, a atitude pode prejudicá-la no futuro.

“Se a mulher tiver uma boa relação com seu chefe será mais fácil”, explica Dieter Kelber, diretor executivo do Insadi, de São Paulo. Ele afirma que se o chefe tiver uma visão de liderança, saberá lidar com a gravidez de sua funcionária e lhe dará todo apoio.

É importante lembrar que a gravidez sempre altera a rotina de trabalho da mulher. Diante disso é importante que os chefes estejam preparados para a possibilidade de suas funcionárias engravidarem. E tenham em mente que engravidar normal, ainda mais quando a mulher tem condições financeiras para sustentar uma família.

Kelber explica que atualmente as empresas já estão mais preparadas para o caso de uma das suas funcionárias engravidarem e entendem que nesse período mudanças vão ocorrer: a gestante terá de se ausentar do trabalho para ir ao médico, o humor vai oscilar, ela sentirá mais cansaço e não terá a mesma agilidade que tinha anteriormente.

Quando você for comunicar ao patrão que está grávida, avise pessoalmente e seja direta. Explique que esse é um momento muito importante da sua vida e você gostaria de contar com o apoio dele. De preferência, escolha um momento em que ele não esteja muito ocupado ou com a cabeça quente.

Se não se sentir a vontade para falar diretamente com o chefe, procure o departamento de recursos humanos de sua empresa. “O departamento de RH tem como função zelar pelo bem estar de seus funcionários”, orienta. Mostrar a melhor maneira de conversar com o superior sobre esse assunto é também função do RH.

Auxílio creche

Depois de o bebê nascer, a mulher tem uma série de direitos garantidos por Lei. Conforme a Portaria nº 3296 do Ministério do Trabalho, todas as empregadas mães, independente da idade (e do número de funcionárias da empresa), tem o direito de receber o auxílio creche, por exemplo. Ele deverá cobrir, integralmente, despesas efetuadas com o pagamento da creche de livre escolha da empregada-mãe.

Esse benefício deve ser concedido no mínimo até os seis meses de idade da criança. A assistente social Marlete Maier explica que algumas empresas depositam até um ano de idade, mas isso não é regra e pode variar de uma empresa para outra. “Na empresa onde trabalho, empregadas ou empregados que sejam viúvos, separados e que tenham a posse e guarda das crianças tem o direito, mas deve ter tudo isso devidamente documentado e não pode viver com outra companheira. Neste caso, e ela quem deve requerer o direito”, conta.

O pagamento ou o re-embolso creche deverá ser depositado até o terceiro dia útil da entrega do comprovante das despesas efetuadas, pela empregada-mãe, com a mensalidade da creche. A empresa deverá explicar detalhadamente para a funcionária quais sãos os direitos adquiridos por ela no momento da gravidez e lembrar que os acordos coletivos de cada categoria podem determinar algumas diferenças nesse sentido.

Veja também - Moda no trabalho para gestantes

Por Cínthya Dávila (MBPress)

Comente