Chef Renata Vanzetto - exemplo de empreendedorismo

Chef Renata Vanzetto

Foto/Rômulo Fialdini

Quando pequena, ela já vendia frutas, pimentas e outros produtos no colégio para ganhar dinheiro, isso na pequena e pacata Ilhabela, localizada no litoral norte de São Paulo. Dez anos depois, com apenas 20 anos, Renata Vanzetto já está no comando de dois badalados restaurantes, além de ter no currículo o prêmio de chef revelação do "Guia Quatro Rodas".

E pensar que tudo começou na cozinha da avó, com quem aprendeu a fazer gemadas, bolo de fubá e brigadeiro. Mas sua madrinha mesmo foi a prima. Logo aos 13 anos, a Chef passou a fazer as entradinhas com toque tailandês do seu restaurante e aprendeu com ela todas as bases e segredinhos dessa cozinha apimentada. Daí para frente, a vocação foi conquistando cada vez mais espaço em sua vida. Ganhou um concurso de Chef Amador e, depois, de Melhor Chef da Ilhabela, com 16 anos.

A maioridade nem tinha chegado e ela já resolveu fazer as malas, afinal, para ser Chef hoje em dia, a experiência na cozinha de países como França, berço da gastronomia, conta muitos pontos na carreira de qualquer profissional. O incentivo para ir à Europa veio da mãe que até hoje a apóia em novas ideias. Renata fez estágio de dois meses na Brasserie Les Varietés, em Saint Rémy, sul da França, ao lado do chef Antonio Pereira, que conheceu no restaurante Deck, em Ilhabela. Na mesma viagem, Renata ficou também na cozinha do bufê do restaurante Villaurrutia, em Tarragona, no nordeste da Espanha.

Sem ter formação em gastronomia, ela já toca a cozinha do Marakuthai, ambiente descolado com dez pratos principais no cardápio. A cozinha? Contemporânea com inspiração tailandesa que também é servida na filial em São Paulo, no bairro Jardins. Nem bem ela assumiu os dois negócios, com a ajuda da família, e já está abrindo serviço do Buffet. Para isso, ela recusou dois convites - um deles para estagiar na cozinha do D.O.M, de Alex Atala. E outro para posar em uma revista masculina. Pois é, ser dona do próprio negócio é o seu principal objetivo.

Chef Renata Vanzetto

Foto/Rômulo Fialdini

Até que ponto a experiência na Espanha e França te ajudou na carreira?

Acho que foi fundamental para conhecer a base da gastronomia. Os franceses valorizam muita a boa comida, os ingredientes de qualidade. Se você for em um boteco vai encontrar até um chocolate quente de boa qualidade. Depois de voltar da Europa acabei ficando só quatro dias na universidade, não gostei. Na época, meu pai falou que eu tinha um espaço na marina dele e tinha a opção de tocar um restaurante. Comecei com um fogão em um espaço bem intimista e depois a casa foi crescendo.

Vários chefs de cozinha deram certo depois que estagiaram na Europa. Você acha que essa é uma condição básica para fazer sucesso por aqui?

Eu acredito que em qualquer profissão conhecer culturas diferentes é bastante enriquecedor. Conheci as bases da cozinha francesa, fora que nunca tinha entrado em uma cozinha de verdade antes de ir para lá. Aprendi que Chef de cozinha não pára. Eu mesmo entro na filial de São Paulo de manhã e só saio de madrugada.

Você acha que o ambiente familiar nos dois restaurantes é o segredo para o negócio dar certo?

A minha família foi fundamental desde o início - a tia deu o micro-ondas, a mãe, a geladeira e a decoração, e o pai, o ponto, isso na montagem do primeiro restaurante. O segundo Marakuthai, a minha mãe (Silvia Camargo) fez toda a ambientação. Enquanto eu fico em São Paulo, minha tia toca sede que abre mais aos finais de semana - Silvana também toca a administração do negócio e a irmã de Renata fica no caixa.


Como você conseguiu adaptar a cozinha tailandesa ao gosto do brasileiro?

Chamo a minha cozinha de contemporênea, ou seja, misturo ingredientes típicos tailandeses, entre eles, limão, pimenta, curry, coentro e pimenta, com preparações brasileiras. Uma mistura que até agora vem dando certo, não acredito que a cozinha thai seja um modismo.

Por Juliana Lopes

Comente